Seguidores

terça-feira, 2 de agosto de 2011

MARIA BETHÂNIA




18 de junho
1946, nasceu Maria Bethânia Viana Teles Veloso

Ela se chama Maria Bethânia porque seu irmão, Caetano Veloso, gostava muito de uma canção do mesmo nome, interpretada por Nelson Gonçalves: “...tu és para mim a senhora do engenho e em sonhos te vejo, Maria Bethânia és tudo o que tenho...”.

Quando criança, queria ser atriz.

Mas, porque Nara Leão ficou gripada, ela teve seu primeiro sucesso, como cantora, nos palcos do antológico show “Opinião”, substituindo Nara, em 13 de fevereiro de 1965.

De lá para cá, foi apenas sucesso. É a cantora da música brasileira com mais discos vendidos: 26 milhões.
Maria Bethânia Viana Teles Veloso nasceu em Santo Amaro da Purificação, na Bahia, no dia 18 de junho de 1946. É a sexta filha do funcionário público dos Correios, José Teles Veloso e de Claudionor Viana, a dona Canô.
No começo da carreira participou de shows amadores com Tom Ze, Gal Costa, Caetano e Gil, que estavam todos tentando se profissionalizar.
Em 1963, cantou na peça Boca de Ouro, de Nelson Rodrigues.
Mas a data oficial de sua estréia é mesmo no Opinião, substituindo Nara, em fevereiro de 1965. Neste mesmo ano gravou seu primeiro disco e estourou com a música Cárcara.
Vieram inúmeros discos e sucessos e Bethânia inovou nos palcos, fazendo shows entremeados com poemas e trechos de textos da literatura, uma fórmula que agradou muito ao público e, quase sempre, se transformou em discos gravados ao vivo.
Foi ela quem inventou o grupo Doces Bárbaros, em 1976, do qual fazia parte ao lado de Gil, Caetano e Gal. O disco do grupo acabou virando tema de filme, DVD, enredo da Mangueira em 1994 e até uma apresentação especial para a rainha da Inglaterra.
Em 1978 foi a primeira cantora brasileira a vender mais de um milhão de cópias de um único disco: Álibi.
Repetiu a façanha em 1993, com o disco As Canções que Você Fez pra Mim, onde canta composições da dupla Roberto e Erasmo Carlos.
Alguns de seus shows estão entre os mais importantes da história da nossa música, como Rosa dos Ventos, de 1971.
Chico Buarque, Caetano, Gil, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Noel Rosa, Gonzaguinha, Milton Nascimento, Jorge Portugal, Roberto Mendes e Roberto e Erasmo Carlos são os compositores que ela mais gravou. Roberto Carlos a chama de “minha rainha”.
Em 2001, quando já vendera quase 20 milhões de discos, Bethânia deixou as grandes gravadoras, onde sempre atuara, para ir para a independente Biscoito Fino, de Olivia Hime.
Em 2003, monta sua própria gravadora – Quitanda – para poder gravar, sem se preocupar com os aspectos comerciais, o que realmente deseja cantar e, ainda, lançar novos artistas.
Bethânia é também diretora, já tendo dirigido espetáculos com Caetano e com Alcione.
Em 2005, foi tema de filme documentário: Música É Perfume.
Em 2006, ganhou, pelo terceiro ano consecutivo, o prêmio Tim de música, com três prêmios: Melhor cantora, melhor DVD (Tempo Tempo Tempo Tempo) e melhor disco (Que Falta Você me Faz, uma homenagem a Vincius).
Seus dois últimos discos foram lançados simultaneamente: Pirata, onde canta os rios do interior e Mar de Sophia, onde canta o mar em versos da poeta portuguesa Shopia Breyner. O espetáculo de lançamento tem o título Dentro do Mar Tem Rio, com direção de Bia Lessa e roteiro de Fauzi Arap, que acompanha a cantora desde o show Rosa dos Ventos, de 1971. 












Doces Bárbaros

Foi também a idealizadora do grupo Doces Bárbaros, onde era um dos vocais da banda, que lançou um disco ao vivo homônimo juntamente com os colegas Gal Costa, Caetano Veloso e Gilberto Gil. O disco é considerado uma obra-prima; apesar disto, curiosamente na época do lançamento (1976) foi duramente criticado. Doces Bárbaros era uma típica banda hippie dos anos 1970, e ao longo dos anos, este lema foi tema de filme com direção de Jom Tob Azulay, DVD, enredo da escola de samba Estação Primeira de Mangueira em 1994 com a canção Atrás da verde-e-rosa só não vai quem já morreu, já comandaram trio elétrico no carnaval de Salvador, espetáculos na praia de Copacabana e uma apresentação para a Rainha da Inglaterra. Sobre esse encontro, escreveu Caetano Veloso: Eu, Gil e Gal podemos nos discutir as atitudes e as posturas, mas com relação a Betânia há sempre um respeito aristocrático que o ritmo do seu comportamento exige. E nós estamos sempre aprendendo com ela algo dessa majestade.
Inicialmente o disco seria registrado em estúdio, mas por sugestão de Gal e Bethânia, foi o espetáculo que ficou registrado em disco, sendo quatro daquelas canções gravadas pouco tempo antes no compacto duplo em estúdio, com as canções EsotéricoChuckberry fields foreverSão João Xangô Menino e O seu amor, todas gravações raras.



Dias atuais

Em 2001, desliga-se das grandes gravadoras, transferindo-se para a independente Biscoito Fino, de propriedade de Olivia Hime e Kati Almeida Braga. O disco que marca a estreia na nova gravadora é o duplo Maricotinha ao vivo - comemorativo dos trinta e cinco anos de carreira, que trouxe regravações dos antigos sucessos seus entre outras canções consagradas, textos e do álbum de estúdio homônimo do ano anterior, cuja maior parte das canções era inédita e foi o último álbum lançado pela gravadora BMG, e também gerou seu primeiro DVD. Em 2003, ainda na Biscoito Fino, lança o selo Quitanda (23 de setembro), para gravar discos com menor apelo comercial e lançar artistas que admira, como Mart'Nália e Dona Edith do Prato. Paralelamente, houve o lançamento do álbum Cânticos, preces, súplicas à Senhora dos Jardins do Céu, gravado originalmente em 2000, que inicialmente não foi comercializado e distribuído numa tiragem limitada de duas mil cópias, apenas para angariar fundos para a restauração da matriz da cidade natal, em homenagem a Nossa Senhora; neste trabalho, a cantora reafirmou a religiosidade, presente em quase toda a obra. O disco contou com a participação especial da mãe, Canô VelosoGilberto Gil (violão e voz) e Nair de Cândia, nas respectivas faixas Ladainha de Nossa SenhoraMãe de Deus das Candeias e uma versão em latim da Ave Maria.




Recentes Críticas

Em março de 2011, a cantora se viu em meio a uma polêmica, por lhe haver sido concedida a quantia de R$ 1,3 milhão, pelo Ministério da Cultura, através da Lei Rouanet, para a produção de um blog na internet. Tal concessão provocou uma significativa onda de protestos em sites como Twitter e também no YouTube onde diversos internautas, gravaram vídeos protestando contra essa idéia. O evento também jogou luz sobre a discussão acerca da legitimidade da Lei Rouanet, haja vista que a quantia, sendo abatida integralmente do imposto, não deixa de ser recurso público, o que na prática significa uma curadoria com dinheiro público sob responsabilidade de empresas privadas, o que também abre caminho para atividades pouco éticas por parte dos proponentes, artistas e do próprio Ministério da Cultura.







Você Sabia?

CuriosidadeRevolucionou a forma de se fazer espetáculos no Brasil, intercalando músicas com poemas - Fernando Pessoa, poeta português, Vinícius de Moraes, Clarice Lispector - criando um estilo próprio e que muito lembra peças teatrais.

CuriosidadeEm 1990, Maria Bethania comemorou 25 anos de carreira com o disco "25 anos", com participações especiais de João Gilberto, Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Almir Sater, entre outros.

CuriosidadeMaria Bethânia desde a infância gostava de cantar, imitando os artistas que ouvia no rádio: Caubi Peixoto, Maysa e Ângela Maria eram seus preferidos.

CuriosidadeEm 1986, Maria Bethania lançou o disco 'Dezembros', BMG, com destaque para "Anos dourados" (Chico Buarque e Tom Jobim), tema de minissérie homônima da TV Globo.







* Maria Bethânia é terceira artista feminina em vendagem de discos na história do Brasil, atrás de XUXA, que tem seus discos voltados ao público infanto-juvenil, com 30 milhões de discos, e de RITA LEE, cantora de MPB/Rock, que supera a marca dos 55 milhões de discos.



* Bethânia foi criada na cidade de SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO e, por ter sido criada na religião CATÓLICA com influência do CANDOMBLÉ, é devota de vários santos e adepta tradicional do segmento religioso africano KETU.

* Maria Bethânia tornou-se uma das principais intérpretes da MÚSICA BRASILEIRA, pois alguns críticos da música a julgam como incapaz de escrever suas próprias composições. Assim como Caetano, um dos maiores cantores e compositores contemporâneos brasileiros, mundialmente conhecido.

* Em junho de 2010, após décadas sem se apresentar em um programa de TV, Maria Bethânia quebrou o autoexílio televisivo que se impôs para prestar uma homenagem ao cantor e compositor ERASMO CARLOS durante a edição especial do PROGRAMA ALTAS HORAS pela passagem dos 50 anos de carreira do artista. Na ocasião, a diva interpretou AS CANÇÕES QUE VOCÊ FEZ PRA MIM e SENTADO À BEIRA DO CAMINHO, protagonizando um dos maiores momentos da história da televisão brasileira nesta década.


* Os muitos fãs sempre cultivaram uma rivalidade com os da cantora ELIS REGINA, no eterno debate que até hoje não teve fim sobre qual seria a maior cantora da história do BRASIL. Elis, por sua vez, declarou Gal Costa a maior cantora do país. Bethânia, mais reservada, nunca se pronunciou sobre esse debate, inclusive se declara até hoje fã de Elis, isso desde a entrevista no JORNAL O PASQUIM (5 DE SETEMBRO de 1969), deu nota dez para a rival. Em 1999, quando regravou uma canção que fez antigo sucesso na voz de Elis, Romaria (RENATO TEIXEIRA), no disco A força que nunca seca, lançado pela gravadora BMG, Bethânia reafirmou ser admiradora.








Discografia


Estúdio


Ao Vivo


Compactos










Espetáculos

  • Nós, por exemplo (1964)
  • Nova bossa velha, velha bossa nova (1964)
  • Mora na Filosofia (1964)
  • Opinião (1965)
  • Arena canta Bahia (1966)
  • Tempo de Guerra (1966)
  • Pois é (1966)
  • Recital na Boite Cangaceiro (1966)
  • Recital na Boite Barroco (1968)
  • Yes, nós temos Maria Bethânia (1968)
  • Comigo me desavim (1968)
  • Recital na Boite Blow Up (1969)
  • Brasileiro, Profissão Esperança (1970)
  • Rosa dos Ventos (1971)
  • Drama - Luz da noite (1973)
  • A cena muda (1974)
  • Chico & Bethânia (1975)
  • Os Doces Bárbaros (1976)
  • Pássaro da manhã (1977)
  • Maria Bethânia e Caetano Veloso (1978)
  • Maria Bethânia (1979)
  • Mel (1980)
  • Estranha forma de vida (1981)
  • Nossos momentos (1982)
  • A hora da estrela (1984)
  • 20 anos (1985)
  • Maria (1988)
  • Dadaya - As sete moradas (1989)
  • 25 anos (1990)
  • As canções que você fez pra mim (1994)
  • Âmbar - Imitação da vida (1996)
  • A força que nunca seca (1999)
  • Maricotinha (2001)
  • Brasileirinho (2004)
  • Tempo, tempo, tempo, tempo (2005)
  • Dentro do mar tem rio (2006)
  • Omara Portuondo e Maria Bethânia (2008)
  • Amor, Festa, Devoção (2009/2010)








Informação geral
Nome completoMaria Bethânia Viana Teles Veloso
ApelidoAbelha-Rainha
Nascimento18 de junho de 1946 (65 anos)
OrigemSanto Amaro da Purificação Bahia
PaísBrasil Brasil
GênerosMPB
Instrumentosvocal
Extensão vocalcontralto
Período em atividade1965 - presente
Gravadora(s)Universal Music BrasilVerve RecordsEMI BrasilBiscoito Fino, Wrasse, Sony BMG
Influência(s)Amália Rodrigues
Billie Holiday
Cartola
Tom Jobim
Nana Caymmi
Nara Leão
Edith Piaf
Página oficialwww.mariabethania.com.br

Nenhum comentário: