Seguidores

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

DONA CANÔ ...



UMA PESSOA DE MUITA SABEDORIA.




Nascida em 16 de setembro de 1907


Após um período internada em Salvador, quando sofreu uma isquemia cerebral, Dona Canô teve alta para continuar o tratamento em casa e morreu quatro dias depois, na manhã de Natal, 25 de dezembro.

Claudionor Viana Teles Velloso é a matriarca da talentosa família Velloso. Conhecida por todos como Dona Canô, ela é mãe de oito filhos, entre eles os célebres cantores Caetano Veloso (70) e Maria Bethânia (66) e viúva de José Telles Velloso, o Seu Zezinho.

Dona Canô é praticamente um patrimônio histórico da cidade de Santo Amaro da Purificação, onde nasceu e vive até hoje. Sua história já foi contada na biografia Canô Velloso, Lembranças do Saber Viver. Ela também era cantora de músicas religiosas. Muito devota, liderou por anos a Novena de Nossa Senhora da Purificação, popularmente conhecida como Novena de Dona Canô, tradição católica de quase três séculos que acontece sempre na última semana de janeiro. Essa devoção não a impediu de comandar também as baianas adeptas do candomblé na festa da lavagem da escadaria da igreja.



   Dona Canô quase nunca negava uma boa prosa. Ela gostava de falar sobre sua terra e seus filhos.
Veja abaixo algumas frases marcantes de Dona Canô:

Religiosidade

Antes da cerimônia no seu aniversário de 105 anos, ela questionou: “Cadê a missa? Não vamos logo para a missa, não?”.
"A fé é tão importante que eu tô viva, não é? Acho que cheguei até essa idade porque acredito em Deus e porque sempre vivi com a minha família, com pessoas do meu lado, com casa cheia. Acho que esse é o segredo”.

Sobre os filhos

“As pessoas me conhecem por causa de Caetano, já chegam aqui perguntando por ele. Mas eu nem sei direito por onde ele anda, o que vou responder?”, perguntou em 2012, antes de completar 105 anos.
“Todos para mim são iguais. Maria Bethânia é incrível, parece mentira, onde ela estiver me telefona. Caetano é diferente, não tem tempo. Não para”.
“Tinha uma senhora que era muito minha amiga. E mandava carta. Quando prenderam Caetano, eu fui lá e ela disse: ‘Não fique preocupada, Caetano está bem, está sentindo que não está em casa, mas está bem’”. Na ocasião dos 70 anos do filho Caetano Veloso, lembrando o exílio do filho.

Sobre a vida


“Tô recebendo essa graça de Deus de 100 anos com muita satisfação e alegria. Porque reunir meus amigos, meus filhos, todos os meus parentes de longe vieram. Pra mim, isso é que é a minha festa”.

"Não mereço tanto. Não sei quantos anos eu ainda tenho pela frente, mas o que Deus quiser está de bom tamanho. Estou feliz porque minha família está aqui, meus filhos, netos e bisnetos", revelou a matriarca em 2008, quando completou 101 anos.

“Na verdade eu tô pouco me importando com idade. A minha vida é essa até o dia que Deus permitir. Se ele quiser que eu viva, eu vivo." Com um porém: "Tem que ser alegre, porque senão, é pior”. Afirmação foi dada no dia do seu aniversário em 2012.

Sobre o marido

“A gente se conheceu na rua, lembro dele passando por mim, tudo foi diferente a partir dali”. Revelação foi sobre o dia em que conheceu o marido, “Seu Zeca”.

Fama

“Eu queria saber porque é que fica essa agonia comigo. Eu não sou nada, nunca fui nada!”.

Sobre longevidade

“Paciência. Porque a pessoa impaciente e nervosa, que briga por tudo, não pode viver bem”. Dona Canô falou sobre o segredo da longevidade em 2007.

Sobre Dorival Caymmi

"Dorival [Caymmi] não foi só um grande artista, isso todo mundo já sabe, ele foi um grande homem". Em 2008 ao saber da morte do compositor baiano, de quem era amiga.

Apesar de tanta influência, a matriarca dos Velloso era humilde: "Se hoje me reconhecem é por causa dos meus filhos. Eu não sou nada", afirmou ela em entrevista à Folha, em 2000.


Felicidade
"Ser feliz é para quem tem coragem".


Claudionor Viana Telles Veloso, mais conhecida como Dona Cano, em frente a Igreja Nossa Senhora da Purificação, em Santo Amaro, Bahia.

Dona Canô em frente a Igreja Nossa Senhora da Purificação, em Santo Amaro, Bahia.

DONA CANÔ
* 1907
+ 2012 


(PESQUISADO NA NET)



GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER


sábado, 22 de dezembro de 2012

EU SOU NÓS ...



É ADMIRÁVEL QUANDO SE USA O NÓS
QUANDO SE PODERIA SIMPLESMENTE USAR 
O EU ...

O NÓS COMO TODO.


É real ... 

Uma amiga muito querida, sempre usa o NÓS ... 
Fiquei um tempo observando o jeito como  se dirigia aos profissionais que trabalham para ela ... 
Quando o pedreiro vai comprar algum material para 
a construção e, ela faz um comentário: 
- NÓS compramos ...
Quando faz um pedido de uma certa mercadoria para 
o seu comércio o comentário é:
- NÓS pedimos ... 
E, é sempre assim no seu dia-a-dia o NÓS é bem mais 
pronunciado do que o EU.
Vejo nela uma pessoa que sabe valorizar o que tem ... 
Não sendo EGOÍSTA.


E assim nesta vida deveríamos agir ... 
Sem egoísmo. 
Pois não somos únicos ... 
O EU é muito pronunciado, como se 
dependêssemos somente de NÓS mesmos ... 
E, não do NÓS como todo.
O NATAL está chegando e o ANO está acabando, 
todo ANO nos é dado uma oportunidade para 
mudar ... 
Então, que seja AGORA.



PENSE NISSO ... 

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

SAIBA COMO SURGIU A PROFECIA DO FIM DO MUNDO.



  Segundo interpretações da 'profecia maia', O FIM DO MUNDO.
A ideia de que uma hecatombe mundial de grandes proporções se abateria sobre a raça humana na entrada do equinócio de inverno, que ocorre na mesma data, vem sendo alimentada pelo menos há quatro décadas.
Mas foi nos últimos três anos que a previsão ganhou força, polarizando aqueles que acreditam piamente no fim dos tempos e os mais céticos.


Calendário maia (Foto: BBC)Calendário maia 


De onde vêm as profecias?
As interpretações de que o fim do mundo ocorreria no dia 21 de dezembro de 2012 partiram de dois monumentos maias: a Estela 6 (uma espécie de totem), do antigo assentamento de Tortuguero (no Estado de Tabasco, no sul do MÉXICO) e a Estela 1 de Cobá, em Quintana Roo.
Além disso, a próxima sexta-feira é o último dia do calendário criado pelos maias. Ou seja, não há registro do que viria depois disso.
Na antiga civilização maia, as chamadas 'Estelas' são colunas nas quais se marcavam as datas de eventos importantes.
Os monumentos também serviam como método de propaganda da elite política e religiosa.
No caso da Estela 6 e da Estela 1, o objetivo era associar datas 'míticas' aos sucessos e governos da época para criar coesão e controle social.

Monumento 6 de Tortuguero
O monumento Estela 6 foi descoberto em 1957 e 58. Também é conhecido popularmente como 'a Estela do fim de uma era', e registra o nascimento e entronização de Apho Bahlam, governador da cidade maia no século VII.
Há também referência à data 'baktún 13 4 Ahau 3 Kankin' que, traduzida para o calendário gregoriano, seria equivalente ao dia 21 de Dezembro de 2012 e corresponde ao fim de um ciclo de 5.126 anos registrados na 'longa contagem' do calendário maia.
'Isso não significa que o mundo vai acabar nesta data, a única coisa é que esta data vai significar o fim do ciclo baktún 13 do calendário maia', disse à BBC Mundo o arqueólogo Daniel Juárez Cossío, responsável pela ala dedicada à civilização maia no Museu Nacional de Antropologia do México.
'Ou seja, simplesmente, estamos falando do final do baktún 13 para que se comece uma nova etapa. Trata-se, no fim das contas, de um caminho novo'.
O sítio arqueológico de Tortuguero foi roubado ao longo do tempo, o que dificultou seu estudo e a interpretação completa e contextualizada da Estela 6.

O Calendário Maia
Trata-se de uma combinação de datas e fatos de batalhas míticas e desastres naturais que marcaram o desenvolvimento da cultura, com base em ciclos agrícolas e movimentos de estrelas como o Sol e Vênus.
O calendário não determina apenas a ordem dos dias. Em torno dele foram organizados feriados religiosos, períodos de cultivo e colheita, a escolha de nomes para recém-nascidos, sacrifícios humanos e outros aspectos importantes da cultura maia.
Cossío diz que o fim da 'contagem de tempo' é simplesmente 'o fim de um ciclo de pouco mais de 5 mil anos'.
'Mas os maias não têm uma visão linear da história, onde há um fim irrefutável. Sua visão é cíclica, ou seja, algo termina para o início de outra coisa.'

Estela 1 Cobá
Estela 1 é localizada em Cobá, uma cidade no norte de Quintana Roo, no México, que já foi uma próspera cidade maia.
Este monumento, com inscrições em todos os quatro cantos, conta a história de seus governantes.
Nesta pedra, há quatro referências ao Calendário de Contagem. Uma delas é uma inscrição mencionando o dia de 21 de dezembro de 2012. No entanto, o monumento está bastante danificado, o que impede a observação de quaisquer fatos que teriam ocorrido depois dessa data.

Quando começou a profecia?
Interpretações das 'profecias maias' começaram a se tornar populares nos anos 1970 entre pequenos grupos europeus e americanos, que, no calor do movimento nascente da Nova Era, se aproveitaram das recentes descobertas na zona maia da península de Yucatán para criar uma filosofia de vida e, em muitos casos, um negócio lucrativo.
De um lado da moeda, vários grupos dizem que o dia 21 de dezembro vai registrar um movimento especial de planetas, mudanças na forma em que o homem se relaciona com o seu ambiente e uma transformação mental e espiritual da raça humana, que vai alcançar seu auge nesse dia.
No outro extremo, estão aqueles que dizem que, na data, desastres naturais, crises políticas e econômicas e as guerras travadas ao redor do globo causarão a derrocada da civilização moderna. Para eles, os maias teriam deixado suas marcas para nos alertar sobre tais eventos.
Grupos como o Ascensión Nueva Terra e Cambio Nueva Consciencia asseguraram que os maias previram que um raio de luz do centro da galáxia irá impactar o sol no dia 20 de dezembro de 2012, mudando sua polaridade, o que terá efeitos devastadores sobre a Terra.
Os entusiastas do fim do mundo sugerem, ainda, uma série de medidas para se preparar para 'enfrentar o caminho final para a nova luz'.
Essa série de previsões levou muitas pessoas ao redor do mundo a estocar alimentos, construir refúgios e dirigir-se a terras que pertenceram à civilização mesoamericana.

O que dizem os especialistas?
Segundo arqueólogos e cientistas que trabalham no estudo de civilizações antigas, os maias não faziam profecias e muito menos queriam deixar previsões para gerações futuras.
Os maias apenas determinavam o destino de uma pessoa ou de uma cidade com base no seu calendário e em suas crenças religiosas.
Nesse sentido, Cossío acredita que o dia 21 de dezembro de 2012 'não é uma profecia'. 'É completamente e totalmente falsa essa tese de que o mundo vai acabar com base em algo que estaria disponível. Não há nenhuma base científica e epigráfica que diz que o mundo vai acabar nesta data.'

O que aconteceu com os maias?
Outra parte importante desta lenda é que, quando os exploradores europeus e conquistadores chegaram no territórios dos maias, encontraram muitos assentamentos e cidades antigas abandonados.
Isso criou uma falsa visão de que o povo maia desapareceu sem deixar vestígio, aumentando o mistério e especulação sobre essa civilização.
A verdade é que os herdeiros diretos da cultura maia ainda existem, vivendo na mesma terra que os seus antepassados.
Muitas vezes, vivem em condições de marginalização e pobreza no sul de México, GUATEMALA, HONDURAS e BELIZE.

(PESQUISADO NA NET)


GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

CRÔNICA DE NATAL ...



Era uma menina que sempre gostou do NATAL.


Sua família era pobre ... 
Mas, isso não fazia diferença, pois pensava :
O NATAL é de todos. 
E assim sempre aguardava o natal com ansiedade, 
sabia que sempre sentia as mesmas vibrações ... 
Vibrações boas do NATAL.
Não ganhava presentes e, não se importava com 
isso ... 
Sua mãe fazia uns doces de leite que era guardado 
para o NATAL ... 
A menina foi crescendo e, sempre sentindo as vibrações 
boas do NATAL ...
Mas, com o passar dos anos essas vibrações não eram 
mais iguais, estava faltando alguma coisa ... 
Ela pensou:
O que mudou no NATAL ???
As vibrações vem mas, não como antes, o que 
aconteceu com a ... 
 FÉ , ESPERANÇA, ALEGRIA, AMOR E A
SOLIDARIEDADE ??? 
Não podemos deixar que eles se vão, pois fazem 
parte do NATAL ...
 Então, ela aprendeu uma oração:

Querido menino Jesus 
Estes são os meus pedidos para este Natal...

Que sejamos capazes de levar a luz do presépio a todas as pessoas,
para que a Tua LUZ brilhe nos corações das pessoas que ainda não Te conhecem.

Que as luzes deste Natal iluminem a alma dos homens,
mostrando a todos que o amor é necessário para que a PAZ prevaleça.

Que o coração dos homens seja renovado pela ESPERANÇA,
e que tenham forças para continuar renascendo a cada dia.

Que tenhamos uma FÉ inabalável para que possamos enfrentar as dificuldades
 e os desafios do dia a dia com serenidade.

Que compreendamos o verdadeiro sentido do AMOR que está acima dos bens materiais,
poder, status ou fama.

Que sejamos imbuídos pelo espírito de SOLIDARIEDADE distribuindo carinho,
partilhando amizade e preocupando-nos com o bem estar do próximo.

O Natal é uma data especial. Que sejamos capazes de viver neste dia a arte do ENCONTRO,
do reencontro, da renovação dos sonhos e ideais, na família e na sociedade.

Que neste Natal, o SALVADOR da humanidade esteja em todos os lares,
as casas e os locais de convívio. Que possamos sentir a sua presença em cada gesto, e
sejamos capazes de compartilhar a PAZ, a ALEGRIA, a ESPERANÇA e o AMOR.

SENHOR abençoe minha família e meus amigos,
e os proteja em todos os momentos do NATAL e
 durante todos os dias do ANO NOVO.

Que a graça e o AMOR do MENINO JESUS
esteja sempre em nossos corações!


E assim ficou feliz aguardando o NATAL.

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER



terça-feira, 18 de dezembro de 2012

HISTÓRIA DO NATAL ...




História do Natal, 25 de dezembro, história do Papai Noel, a tradição da árvore de Natal, origem do presépio, 
 decorações natalinas, símbolos natalinos.

História do Natal - Papai Noel 

PAPAI NOEL: Um dos símbolos do NATAL

Origem do Natal e o significado da comemoração
O Natal é uma data em que comemoramos o nascimento de Jesus Cristo. Na antiguidade, o Natal era comemorado em várias datas diferentes, pois não se sabia com exatidão a data do nascimento de Jesus. Foi somente no século IV que o 25 de dezembro foi estabelecido como data oficial de comemoração. Na ROMA ANTIGA, o 25 de dezembro era a data em que os romanos comemoravam o início do inverno. Portanto, acredita-se que haja uma relação deste fato com a oficialização da comemoração do Natal.

As antigas comemorações de Natal costumavam durar até 12 dias, pois este foi o tempo que levou para os três REIS MAGOS chegarem até a cidade de Belém e entregarem os presentes (ouro, mirra e incenso) ao menino Jesus. Atualmente, as pessoas costumam montar as árvores e outras decorações natalinas no começo de dezembro e desmontá-las até 12 dias após o Natal.

Do ponto de vista cronológico, o Natal é uma data de grande importância para o Ocidente, pois marca o ano 1 da nossa HISTÓRIA.

A Árvore de Natal e o Presépio

árvore de natal
Em quase todos os países do mundo, as pessoas montam árvores de Natal para decorar casas e outros ambientes. Em conjunto com as decorações natalinas, as árvores proporcionam um clima especial neste período.

Acredita-se que esta tradição começou em 1530, na Alemanha, com MATINHO LUTERO. Certa noite, enquanto caminhava pela floresta, Lutero ficou impressionado com a beleza dos pinheiros cobertos de neve. As estrelas do céu ajudaram a compor a imagem que Lutero reproduziu com galhos de árvore em sua casa. Além das estrelas, algodão e outros enfeites, ele utilizou velas acesas para mostrar aos seus familiares a bela cena que havia presenciado na floresta.

Esta tradição foi trazida para o continente americano por alguns alemães, que vieram morar na AMÉRICA durante o período colonial. No Brasil, país de maioria cristã, as árvores de Natal estão presentes em diversos lugares, pois, além de decorar, simbolizam alegria, paz e esperança.

O presépio também representa uma importante decoração natalina. Ele mostra o cenário do nascimento de Jesus, ou seja, uma manjedoura, os animais, os reis Magos e os pais do menino. Esta tradição de montar presépios teve início com São Francisco de Assis, no século XIII. As MÚSICAS DE NATAL também fazem parte desta linda festa.

O Papai Noel : origem e tradição

Estudiosos afirmam que a figura do bom velhinho foi inspirada num bispo chamado Nicolau, que nasceu na Turquia em 280 d.C. O bispo, homem de bom coração, costumava ajudar as pessoas pobres, deixando saquinhos com moedas próximas às chaminés das casas.

Foi transformado em santo (São Nicolau) pela Igreja Católica, após várias pessoas relatarem milagres atribuídos a ele.

A associação da imagem de São Nicolau ao Natal aconteceu na Alemanha e espalhou-se pelo mundo em pouco tempo. Nos Estados Unidos, ganhou o nome de Santa Claus, no Brasil de PAPAI NOEL e em Portugal de Pai Natal.

A roupa do Papai Noel 

Até o final do século XIX, o Papai Noel era representado com uma roupa de inverno na cor marrom ou verde escura. Em 1886, o cartunista alemão Thomas Nast criou uma nova imagem para o bom velhinho. A roupa nas cores vermelha e branca, com cinto preto, criada por Nast foi apresentada na revista Harper’s Weeklys neste mesmo ano.

Em 1931, uma campanha publicitária da Coca-Cola mostrou o Papai Noel com o mesmo figurino criado por Nast, que também eram as cores do refrigerante. A campanha publicitária fez um grande sucesso, ajudando a espalhar a nova imagem do Papai Noel pelo mundo.


Curiosidade: o nome do Papai Noel em outros países

- Alemanha (Weihnachtsmann, O "Homem do Natal"), Argentina, Espanha, Colômbia, Paraguai e Uruguai (Papá Noel), Chile (Viejito Pascuero), Dinamarca (Julemanden), França (Père Noël), Itália (Babbo Natale), México (Santa Claus), Holanda (Kerstman, "Homem do Natal), POrtugal (Pai Natal), Inglaterra (Father Christmas), Suécia (Jultomte), Estados Unidos (Santa Claus), Rússia (Ded Moroz).


OUTRAS CURIOSIDADES:

*Mesmo a Bíblia não especificando o nascimento de Cristo, as autoridades cristãs fizeram a escolha desta data, que foi mais tarde reconhecida pelo Papa Julius I (337 -352). Com o processo de expansão e regulamentação das tradições do cristianismo, o feriado natalino ganhou enorme força ao seguir o próprio processo de expansão da nascente religião. Dessa maneira, o Natal conseguiu se transformar em uma das principais datas a serem comemoradas pelos cristãos de todo o mundo.


*Como a troca de presentes e muitos outros aspectos da festa de Natal envolvem um aumento da atividade econômica entre cristãos e não cristãos, a festa tornou-se um acontecimento significativo e um período chave de vendas para os varejistas e para as empresas. O impacto econômico do Natal é um fator que tem crescido de forma constante ao longo dos últimos séculos em muitas regiões do mundo.

*A palavra natal do PORTUGUÊS já foi nātālis no LATIM, derivada do VERBO nāscor (nāsceris, nāscī, nātus sum) que tem sentido de nascer. De nātālis do latim, evoluíram também natale do ITALIANO, noël do FRANCÊS, nadal do CATALÃO, natal do CASTELHANO, sendo que a palavra natal do castelhano foi progressivamente substituída por navidad, como nome do dia religioso.
Já a palavra Christmas, do inglês, evoluiu de Christes maesse ('Christ's mass') que quer dizer missa de CRISTO.


Essas e, muitas outras histórias temos da origem do 

NATAL ...

Mas, penso que o NATAL seja para avaliarmos 

nossa conduta no CICLO(ano) que está acabando ...

E os PRESENTES a forma de darmos o que há de

melhor em todos nós.

PENSE NISSO ... 

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

domingo, 16 de dezembro de 2012

CENTENÁRIO LUIZ GONZAGA.


Luiz Gonzaga  foi músico brasileiro. Sanfoneiro, cantor e compositor, recebeu o título de "Rei do Baião". Foi responsável pela valorização dos ritmos nordestinos, levou o baião, o xote e o xaxado, para todo o país. A música "Asa Branca" feita em parceria com Humberto Teixeira, gravada por Luiz Gonzaga no dia 3 de março de 1947, virou hino do nordeste brasileiro.

 Era a representação da alma de um povo...era a alma do nordeste cantando sua história...E ele fez isso com simplicidade e dignidade.





 Luiz Gonzaga nasceu na Fazenda Caiçara, em Exu, sertão de Pernambuco, no dia 13 de dezembro de 1912. Filho de Januário José dos Santos, o mestre Januário, "sanfoneiro de 8 baixos" e Ana Batista de Jesus. O casal teve oito filhos. Luiz Gonzaga desde menino já tocava sanfona. Aos 13 anos, com dinheiro emprestado compra sua primeira sanfona.
Em 1929, por causa de um namoro, proibido pela família da moça, Luiz Gonzaga foge para a cidade de Crato no Ceará. Em 1930 vai para Fortaleza, onde entra para o exército. Com a Revolução de 30 viaja pelo país. Em 1933, servindo em Minas Gerais, é reprovado num concurso de músico para o exército, passa a ser o corneteiro da tropa. Tem aulas de sanfona com o soldado Domingos Ambrósio.
Luiz Gonzaga deixa o exército, depois de nove anos sem dar notícias à família. Foi para o Rio de Janeiro e passou a se apresentar em bares, cabarés e programas de calouros. Em 1940 participa do programa de Calouros da Rádio Tupi e ganha o primeiro lugar, com a música "Vira e Mexe".
Tocando como sanfoneiro da dupla Genésio Arruda e Januário, é descoberto e levado pela gravadora RCA Vitor, a gravar seu primeiro disco. O sucesso foi rápido, vários outro discos foram gravados, mas só em 11 de abril de 1945 grava seu primeiro disco como sanfoneiro e cantor, com a música "Dança Mariquinha". Em 23 de setembro nasce seu filho Gonzaguinha, fruto do relacionamento com a cantora Odaléia Guedes. Nesse mesmo ano conhece o parceiro Humberto Teixeira.
Depois de 16 anos Luiz volta para sua terra natal. Vai ao Recife e se apresenta em vários programas de rádio. Em 1947 grava "Asa Branca", feita em parceria com Humberto Teixeira. Em 1948 casa-se com a cantora Helena Cavalcanti. Em 1949 leva sua família para morar no Rio de Janeiro. As parcerias com Humberto Teixeira e com Zédantas rendeu muitas músicas. Gonzaga e seu conjunto se apresentam em várias partes do país.
Em 1980, Luiz Gonzaga canta para o Papa Paulo II, em Fortaleza. Canta em París a convite da cantora amazonense Nazaré Pereira. Recebe o prêmio Nipper de ouro e dois discos de ouro pelo disco "Sanfoneiro Macho". Em 1988 se separa de Helena e assume o relacionamento com Edelzita Rabelo.
Luiz Gonzaga é internado no Recife, no Hospital Santa Joana, no dia 21 de junho de 1989, e no dia 2 de agosto falece.
Em 2012, se comemora 100 anos do nascimento de Luiz Gonzaga. É lançado o filme "De Pai Para Filho", narrando a relação entre Gonzaga e Gonzaguinha. O artista recebe várias homenagens em todo o país.

Sucessos de Luiz Gonzaga


Asa Branca
Luar do Sertão
Súplica Cearense
A Feira de Caruaru
No Meu pé de Serra
A Triste Partida
Assum Preto
Olha Pró Céu
Balance Eu
Paraíba
Pau de Arara
Cintura Fina
Danado de Bom
Riacho do Navio
Xote das Meninas
No Ceará Não Tem Disso Não
Numa Sala de Reboco
Respeita Januário
Pagode Russo
Último Pau de Arara
O Fole Roncou
Zé Matuto
Dezessete e Setecentos
Dança Mariquinha
Baião de Dois
ABC do Sertão



PESQUISADO NA NET

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER