Seguidores

sábado, 31 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... Resgatando Memórias.


Muitas coisas legais aconteceram aqui em Marechal Floriano. Boas lembranças guardadas com certeza, na memória do Florianense: Desfiles Cívicos e da Fanfarra, Festa do Chuchu, Clube Apollo XIII, The Foxes, Baile do Sábado de Aleluia e mais ...

Histórias de Marechal "A Colônia que se tornou Vila, depois Distrito, não poderia ter um final diferente ... O de chegar a Município".

Escrever a respeito da trajetória de Marechal Floriano, está sendo uma experiência muito interessante e gratificante.


                                UMA PEQUENA E GRANDE CIDADE.


Quando era uma pequena menina, que brincava 
nas ruas de Marechal ...
Na minha visão de criança, era tudo grande ...
Então, uma grande cidade.
Com o passar do tempo as brincadeiras de criança
ficaram para trás ... 
Hoje na minha visão adulta, Marechal se tornou pequeno ...
Mas, uma pequena cidade e de grande aconchego.

Marechal tem o seu aconchego natural ...
Amo esta pequena e grande cidade.
Giovana Cristina Schneider


* ALGUNS REGISTROS: 









*Estou pesquisando, e espero conseguir bastante FATOS e FOTOS destas épocas.


PS: Na próxima publicação do Blog, vou postar dos Desfiles Cívicos. 
GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

quinta-feira, 29 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... E a Estação.


¨Com a inauguração da Estação, foram construídas várias residências ao redor da mesma...um dos proprietários foi o comerciante Belarmino Pinto.

* 1900
Com a chegada da ferrovia, a Vila de Marechal Floriano se tornou um ponto estratégico, principalmente para o comércio do café. Toda a produção da região, como alto Batatal, Sapucaia, Todos os Santos, Costa Pereira e até de Afonso Cláudio, era direcionado para esta estação. Onde era embarcado no trem para o Porto de Vitória. A Vila havia dois grandes comerciantes na época: Endlich e Companhia, e também Berlarmino Pinto.




Na época uma tropa de burro para fazer o percurso de Alfredo Chaves até a Estação de Marechal Floriano, gastava três dias. O percurso era feito pelo Quarto Território da Colônia Imperial de Rio Novo, que hoje pertence a Todos os Santos. Relato de Emílio Gustavo Hülle.
Conforme documentos de terras pesquisados, nas proximidades da Vila de Marechal existiam vários lugares que hoje provavelmente mudou de nome, como: 


Córrego da Fome, hoje é o atual Campo do Apollo. 
São Domingos, não identificado.





Bom Destino, hoje Fazenda Aparecida. Outra localidade que é muito destacada é a de Todos os Santos, já que na época tinham que passar pela Vila de Marechal Floriano.

* 1904
O primeiro resultado de operação a Estrada de Ferro Sul Espírito Santo, deu um prejuízo de 4:067$424.

* 1907
A Estrada de Ferro Sul Espírito Santo foi vendida para a Leopoldina. Conforme decreto nº 6.456  20 de Abril Ano 1907.

Fonte: História do Município de Marechal Floriano
(Jair Littig)


PS: Nas próximas publicações do Blog, tem mais da História de Marechal Floriano = Curiosidades, Homenagens Póstumas, Antigas Festas, Filtrando Fatos e muito mais ...

Giovana Cristina Schneider


quarta-feira, 28 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... Homenagens Póstumas (3)


Policlínica Ary Ribeiro da Silva


Inauguração da Policlínica Ary Ribeiro da Silva
Data: Sexta-feira, 29/06/2012
Horário: 17 horas
Endereço: Rua Belarmino Pinto, Centro, Marechal Floriano




O "Seu" Ari da Farmácia ... MUITOS PREFERIAM A SUA OPINIÃO, POIS ACREDITAVAM MAIS NA SUA CAPACIDADE DE AVALIAR E MEDICAR. Uma pessoa que fez parte da História de Marechal. 


O Sr. Ary Ribeiro da Silva nasceu no Município de Mimoso do Sul em 22 de Junho de 1935, faleceu em 23 de Abril de 2004 com residência em Marechal Floriano desde 1958.
Foi Farmacêutico, Vereador e ajudou a desenvolver a Vila, construindo Casas e abrindo Ruas e Praças.

* 1958
No início deste ano chega a Vila de Marechal Floriano, o Sr. Ary Ribeiro da Silva, onde compra a Farmácia "São Jorge" do Sr. Antenor Braga que foi o primeiro farmacêutico da Vila de Marechal.
Hoje atual "Farmácia Regina".

* 1962 
Neste ano foi eleito para o cargo de  Vereador, nesta época os Vereadores não eram remunerados.

¨ O Vereador Ari Ribeiro coloca nome nas ruas da Vila de Marechal. Na época havia três ruas, conhecidas como: Estação, do Sapo e do Batatal.





Desfile Cívico 


Fonte: História do Município de Marechal Floriano
(Jair Littig)


* Muitas lembranças, acredito que todo morador de Marechal Floriano e redondeza tem.
Injeções com certeza são as mais lembradas, em muitos anos foi a Farmácia do "Seu"Ari a referência para quem estava doente ou se sentindo mal.


PS: Nas próximas publicações do Blog, tem mais da História de Marechal Floriano = Curiosidades, Homenagens Póstumas, Antigas Festas, Filtrando Fatos e muito mais ...

Giovana Cristina Schneider

terça-feira, 27 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... Curiosidades.




Comandante Geral da Polícia Militar



Tenente Coronel Pedro Bruzzi
Período: de 1911 a 1920

* 1916
O Presidente do Estado, Sr. Bernadino de Souza Monteiro. Autoriza o Comandante Tenente Coronel Pedro Bruzzi a colocar presos para construção da estrada que vai da Vila de Marechal Floriano até Afonso Cláudio. No relatório, já contava com 25 condenados trabalhando na rodovia. Segundo relato do Presidente do Estado, pois preferiam este tipo de prisão, onde não teve informação de tentativa de fuga.


* 1917
Conforme relatório do Presidente do Estado do Espírito Santo, Dr. Bernadino de Souza Monteiro, onde informa que em 17 de Agosto foi assassinado o Coronel Maximiliano Salloker, sendo motivo de não concordar com a estrada que partia de Santa Isabel, via Marechal até Alfredo Chaves. Segundo documentos da época, a estrada seria projetada pela região do caracol. Depois de sua morte, a estrada foi construída por Campinho. Na época Maximiliano era prefeito de Santa Isabel, ele foi assassinado no início da subida do Caracol.





* 1927
Neste ano Victor Travaglia constrói a sua residência, que hoje pertence a Oberdan José Pereira.

* 1928
José Henrique Pereira foi eleito Vereador, sendo o primeiro Vereador da Vila de Marechal Floriano.

* 1938
No início deste ano foi inaugurado o campo de futebol, onde se jogou pela primeira vez uniformizado e com chuteiras.

* 1948
Num jogo de futebol entre as equipes do Campinho e Marechal Floriano, depois de uma briga, o campo de futebol foi fechado para a prática do futebol, sendo seu proprietário, o Sr. José Henrique Pereira. O time de Marechal tinha uma camisa verde e branca. Jogadores que atuavam nesta época: Carlinhos e Juscelino Damasceno, Arlindo Gibi que era o goleiro, José Piaba, João Carreiro, Oscar Araújo, Nenê Lovatti, Juca Tarqueta, Alfeu Endlich, Nino Pereira, Erotildes, Diógenes, Roudão Barreto, Oscar Schunk.

* 1956 
Depois de 08 anos sem ter futebol, devido uma briga entre as equipes do Campinho e do Marechal Floriano Futebol Clube, um policial com o nome de Darly Simões, José Carlos(Cacau) e Osmar, pedem autorização ao Sr. José Henrique Pereira e reabre o campo. O Marechal Floriano tinha sua camisa tricolor: Branco, Verde e Vermelho.

* 1966
Com a chegada da televisão, o cinema de Marechal foi desativado. Os primeiros moradores que possuíam televisão, eram Paulino Pereira e Selso Stein.



¨ Neste mesmo ano, o asfalto da BR 262 chega a Marechal Floriano, construído pela Empresa Queiroz Galvão.

Fonte: História do Município de Marechal Floriano
(Jair Littig)

PS: Nas próximas publicações do Blog, colocarei mais da História de Marechal Floriano = Homenagens Póstumas, Curiosidades, Filtrando Fatos, Nomes de Ruas e muito mais ....

Giovana Cristina Schneider

sexta-feira, 23 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... Cotidiano da Vila (2)


Dados da Vila em 1958 ...

* CONDIÇÕES DE VIDA
Tinha um sistema de água, interligando duas caixas, a do morro do Waldemar Mees, com a do José Henrique Pereira. Iluminação pública somente na rua principal, da Praça da Estação até no Posto do Amador. Já nas residências era quase 80%, pois na Rua do Cemitério era uma energia de uma fase, como dizia na época, muito fraca. Quem administrava a energia era a Empresa Central Elétrica, sendo responsável na Vila o Srº José Corassa, que residia em Campinho, e quando faltava energia tinha que avisar. Quando o defeito era à noite, geralmente dormia-se no escuro.



As ruas não tinham calçamento, quando havia festas, a prefeitura colocava areia branca na rua principal onde passava a procissão da Igreja Católica.


* COMUNICAÇÃO
As pessoas tinham informações através do radio, onde os programas mais destacados eram as novelas da radio nacional, seriados do Jerônimo e repórter Esso.
*Havia uma agência de correios na residência do Srº João Kuster, onde seu filho Alcides era o responsável. Algumas pessoas tinham assinaturas de jornais do Rio de Janeiro, e também com assinatura da Gazeta de Vitória. Outro meio de comunicação era o telégrafo da Estação.


* ESCOLAS
Tinha somente uma Escola Estadual, para atender alunos do curso primário. Funcionava pela manhã e tarde, era também normal faltar água e os alunos tinham que beber água do córrego, que vinha atender a Pila de Café do Srº Emílio Gustavo Hülle.
Antes de começar asa aulas, era obrigatório cantar o Hino Nacional, na quinta-feira cantava-se o Hino da Bandeira.
PROFESSORES DA ÉPOCA:
Fernanda Gianórdoli Stein
Sonia Santos
Genoveva Gama
Laura Campos e Silva
Leny Hülle

Não havia Curso Ginasial, ao terminar o primário, a opção era ir estudar a noite no colégio Cenecista de Campinho, ou ir para Vitória. Eram poucos que continuavam os estudos.


* RELIGIÃO
A predominância era Católica. Tinha uma pequena Igreja construída em 1916.


Durante o ano havia três grandes festas ( 1º de Janeiro, Abril Festa de São Jorge e Julho da Padroeira Sant`Ana). Também havia em maio, o mês de Maria. Os Luteranos deslocavam-se para Campinho.
Aos domingos acontecia também cultos nas casas ou ruas, da religião Crente como eram conhecidos na época, vinham de Vitória.
A Igreja Católica já tinha seu Cemitério, e na rua de Batatal tinha o misto onde sepultava-se Católicos e Luteranos. Este Cemitério foi fundado no inicio do século XX.


*COMÉRCIO


A Vila tinha poucos comerciantes, todos voltados para secos e molhados. Quando havia necessidade de comprar outros produtos, viajava-se para Vitória. Tinha muitos mascates, principalmente de Cachoeiro de Itapemirim, e também vendedores ambulantes.


*INDUSTRIAS 
Na época tinha duas fábricas de móveis pertencentes a Antonio Nalesso e Alceu Denadai. Emílio Gustavo Hülle tinha uma beneficiadora de café, era tocada a água, e uma fábrica de telhas pertencente ao Floriano Kiefer.


*FESTAS E DIVERTIMENTOS


Foi um ano de muitas festas, em fevereiro um grande carnaval no salão do Bar América. Em maio a prefeitura inaugurou o açougue municipal, na Praça José Henrique Pereira, com grande churrasco, baile e muita cerveja. Em junho a festa pelo primeiro Campeonato Mundial, as pessoas escutavam o jogo pelo rádio. Um dos locais mais frequentados era a padaria do Srº Manoel dos Santos.
Em março deste ano chegou o cinema, que foi uma grande atração, tinha filmes no sábado e domingo, alguma vezes na quarta-feira.


DADOS DA VILA DE MARECHAL FLORIANO EM 1958.
Uma pequena Vila, que hoje é cidade de Marechal Floriano.
Em 1958, a Vila de Marechal pertencia ao Distrito de Santa Isabel. Segundo informações do 
Srº Ari Ribeiro da Silva, no inicio deste ano que comprou a farmácia São Jorge, que pertencia ao 
Srº Antenor Braga, o Sr° Ari relatou que Marechal tinha apenas 500 pessoas. Provavelmente o numero era menor, já que no final de 1957, chegava na Vila a Empresa Mineira de Obra para construir o trecho rodoviário até Santa Isabel. Seu acampamento ficava no terreno do Arthur Haese, hoje este local é a Vila das Orquídeas.
Segundo Ari Ribeiro da Silva e Emílio Gustavo Hülle, foi no ano de 1958 que a Vila de Marechal Floriano iniciou-se o seu progresso, para chegar a ser hoje município.

Fonte: História do Município de Marechal Floriano
(Jair Littig)



PS: Nos próximos posts, colocarei mais da História de Marechal Floriano = Homenagens Póstumas, Curiosidades, Filtrando Fatos, Nomes de Ruas e muito mais ....

Giovana Cristina Schneider

quinta-feira, 22 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... Cotidiano da Vila.



DADOS HISTÓRICOS DA VILA DE MARECHAL FLORIANO EM 1958.





* POLÍTICA
O Prefeito da época era Paulo Lorenzoni. Em 03 de Outubro houve eleição, sendo eleito Prefeito o Srº Francisco Santos Silva (Chiquinho). A Vila elegeu seu Vereador José Moreira Bourguignon, já que desde 1950 não tinha um representante na Câmara.

* SAÚDE 
Havia um médico, Drº César Puppin, recentemente formado, veio para a Vila de Marechal em 1956. Seu consultório ficava no antigo prédio da família Endlich. Havia também uma farmácia que na época se chamava: Farmácia São Jorge (Atual Farmácia Regina).
Grande parte da população utilizava o método de benzer as pessoas, ou tomar garrafadas. Uma das benzedeiras da época 
era D. Mariquinha Plaidor, que morava no final da rua do Sapo. Já as garrafadas, o especialista era o João Souza. Quanto a parteiras, uma de grande destaque era a D. Bertha Catelan Taquetti.

* SEGURANÇA PÚBLICA
Quando construíram o açougue na Praça da Estação, fizeram um pequeno cubículo, para atender pequenas ocorrências. A Vila de Marechal era uma localidade pacata, com pequenos índices de criminalidade. Havia um soldado, o subdelegado era o Srº Antonio Nalesso. Com a chegada de empresas para construir a BR 31, hoje a 262, começou a ter problemas. Um deles aconteceu no carnaval, uma briga envolvendo empregados da Mineira de Obra, o soldado tentou apaziguar, mas foi agredido, foi na sua residência, e voltou com uma arma de grosso calibre (fuzil), junto veio sua esposa. Houve uma grande confusão, onde a esposa do soldado baleou um empregado da Empresa Mineira, na ocasião foi um espanto para a comunidade.

* FONTES DE RENDA
Havia pouca oportunidade de empregos, sendo uma delas, a Rede Ferroviária Federal (antiga Leopoldina), Prefeitura, DNER, do Estado e da Empresa Mineira de Obra. O salário mínimo da época era Três mil e Setecentos Cruzeiros. Segundo historiadores, foi um dos melhores.
Havia um hotel administrado pelo Srº Quinkas, e uma pensão de propriedade de Judith Schön.
As famílias viviam exclusivamente de horticultura, a Vila de Marechal era o maior produtor de chuchu do Estado. 


Todas as semana havia compradores, que era despachado via Estrada de Ferro, para ser negociado no mercado da Vila Rubim em Vitória. Podemos citar vários compradores, entre eles o Srº Pedro Schunk e o Srº Francisco Penha, as plantações aconteciam dentro da Vila, os quintais eram enormes, facilitando o cultivo. Galinhas e porcos eram criados soltos nas ruas.
Na estrada em direção a campinho havia uma grande plantação de flores, do tipo palma, pertencente ao agrônomo Armando Walcher. Iniciava-se a avicultura, com Arthur Haese e Bernado Ewald.


Fonte: História do Município de Marechal Floriano
(Jair Littig)



PS: Nos próximos post, tem mais do cotidiano da Vila ( Dados Históricos da Vila de Marechal Floriano em 1958).

*E tbm colocarei mais da História de Marechal Floriano = Homenagens Póstumas, Curiosidades, Filtrando Fatos, Nomes de Ruas e muito mais ....



Giovana Cristina Schneider

quarta-feira, 21 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... Filtrando Fatos (2)



*Marechal Floriano
/ 1970 até 1992 /


1970 => Nos jogos da Copa do Mundo, já havia televisão. Somente alguns moradores eram privilegiados, pois não havia aparelho de repetição. Podemos citar residência do SrºAlvino Wassem. Era o melhor local de imagem.



1971 => No dia 07 de Março, morre o Antenor dos Santos Braga. Foi o primeiro Farmacêutico da Vila de Marechal Floriano.
( A imagem acima é da Farmácia São Jorge, que pertencia ao Srº Antenor. O único registro que consegui, na época de uma grande enchente na Vila)



1972 => A comunidade instala o primeiro repetidor, para receber imagens de televisão.
*Neste mesmo ano o SrºAmador Endlich era Vereador e Vice-Presidente da Câmara.




1975 => Em Março deste ano inicia-se o calçamento da Praça José Henrique Pereira. O Prefeito da época era Joaquim Tesch.




1979 => Em 13 de Janeiro foi inaugurado o primeiro banco, BRADESCO. Estabeleceu ao lado do Restaurante Braço do Sul, o Restaurante não existe mais e no seu lugar, hoje é a Caixa Econômica.


* Também em Agosto de 1979, é inaugurada a Ponte sobre o Rio Braço do Sul.
PS: Estou nesta foto, uma linda recordação, cedida pelo meu amigo Doca. 



1982 => Em Fevereiro foi desativado o Trem de passageiros da RFFSA. Este meio de transporte iniciou-se em 14 de Maio de 1900.



* Neste mesmo ano o América Futebol Clube é Campeão Centro Sul, torneio realizado pela Federação de Futebol do Espírito Santo. 
AMERICA FUTEBOL CLUBE ( MARECHAL FLORIANO - ES)
CAMPEÃO CENTRO-SUL - ES 1982

EM PÉ DA ESQUERDA PARA DIREITA - OSMAR - BELITA- ADELSON - BADECO - SERGIO BENTO - MARRECO (EDIMAR) - VIVINHO - ILDO - DENIZARTH - PELENCO (ADELMO) AUGUSTO (TÉCNICO)

AGACHADOS DA ESQUERDA PARA DIREITA - GILSINHO LOPES - ERNANI- GILMAR - JAIME - MARQUINHO - BELELÉU - BÉZINHO - LICO - E o menino TUNICO
(Colaboração e foto do Adelmo Stein)




1988 => Em Fevereiro um grupo de jovens de Marechal, começam a articular para criar o Município de Marechal Floriano. As reuniões aconteciam na Igreja Católica, com a participação de representantes de Municípios que foram Emancipados.

1990 => Em 14 de Novembro deste ano, foi aprovado pelos Deputados Estaduais, para a consulta popular, para começar o processo de Emancipação.

1991 => Em 30 de Junho foi feito o plebiscito.
Em 31 de Outubro os Distritos de Marechal Floriano e Araguaia Emanciparam de Domingos Martins, pela Lei 4571/91. 


1992 => Aconteceu a primeira eleição.
Prefeito: Elias Kiefer
Vereadores: Amarilio Klein, João Carlos Lorenzon, Paulo Lovatti Júnior, Lastene Stockl, Lourival Schunk, Elias Kuster, Nides de Freitas, Paulo César Gilles e Tarcisio Borgo.

Fonte: História do Município de Marechal Floriano
(Jair Littig)

O que marca é a luta de um povo por um só ideal, o que vem depois são ideais políticos de cada um.

"E assim a Colônia que se tornou Vila, depois Distrito ...
Não poderia ter um final diferente, o de chegar a 
MUNICÍPIO"

PS: Nas próximas publicações do Blog, colocarei mais da História de Marechal Floriano = Homenagens Póstumas, Curiosidades, Filtrando Fatos, Nomes de Ruas e muito mais ....

Giovana Cristina Schneider

terça-feira, 20 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... Homenagens Póstumas (2)




História da EEEFM “Emilio Oscar Hulle”



            Em 13 de março de 1968 a Sede do município de Marechal Floriano possuía uma escola pública chamada CNEC – que era o Ginásio de Marechal Floriano. Ao passar do tempo e com a crescente demanda para atender os alunos do ensino fundamental – 5ª a 8ª séries, diante desta realidade e sentindo a necessidade da uma escola maior, sendo Marechal Floriano, distrito de Domingos Martins, a comunidade se uniu para sensibilizar as autoridades municipais e estaduais e obter junto ao Estado a criação da escola.
Foi criada a Escola assim no dia 01 de agosto de 1978, a Escola “Emílio Oscar Hülle” conforme documentação abaixo relacionada:

Ato de Criação da Escola: Decreto nº 1100 de 31 de janeiro de 1975.
Governador do Estado: Sr. Arthur Carlos Gehrardt Santos
Secretário de Estado da Educação: Arabelo do Rosário
Prefeito Municipal de Domingos Martins: Joaquim Tesch
Diretor da EPSG “Oscar Emilio Hulle”: Aarão Deps
1º Dia Letivo: 1º de agosto de 1978.




EMÍLIO OSCAR HÜLLE

Filho do imigrante Hermann Rudolph e de Amália Hehr, nasceu em 13 de Dezembro de 1876, no Braço do Sul, na região de Costa Pereira. Foi batizado em 28 de Janeiro de 1877. Estudou na escola do professor Ulrich Kuster, na Vila Braço do Sul, hoje Marechal Floriano. Casou-se no cartório de Santa Isabel em 05 de Abril de 1902, com 26 anos de idade, com Katharine Joanna Schneider.
Embora sendo da Religião Luterana, ajudou a construir a primeira Igreja Católica da Vila, emprestando dois contos de réis.
Em 1939, com o início da Segunda Guerra Mundial, ficou proibido falar o idioma Alemão no Brasil. Na época havia espiões para saber quais famílias ainda praticavam o idioma. Teve que retirar do túmulo de seu filho Albert, as informações em idioma Alemão e transcrever em Português. Tinha costume de ouvir a Radio Alemã Deutsch Welle. Em 1940 o governo proíbe a recepção radiofônica de notícias de guerra. Quem desrespeitava era severamente castigado.
Esteve na sua residência um militar proibindo de sintonizar a emissora, com pena de ser preso, caso não cumprir a ordem. Segundo seu filho Emílio Gustavo, na época era normal ouvir rádios estrangeiras para saber notícias da guerra. 
Aos domingos a tarde as pessoas iam visitar o Srº Emílio para saber notícias principalmente da Alemanha, já que ele também recebia jornais, e sempre estava atualizado lendo seus jornais.
No período da guerra, foi denunciado para o delegado de Campinho, sobre estas visitas. Além de proibir estas reuniões, também não podia falar em Alemão. Na casa do Srº Emílio, segundo seu filho mais velho Emílio Gustavo, só falavam em Alemão a noite, e bem baixinho.
Muitos filhos de imigrantes queimaram livros, fotografias e documentos com medo de represália. Para preservar, Emil enterrou ao lado de um fogão, toda esta documentação, retirando somente após a guerra. Hoje estes livros e fotos encontram-se com seu neto Jair Littig.
O Srº Emílio Oscar Hülle, faleceu em 13 de Maio de 1959

Fonte: Dados da Vila de Marechal Floriano.
(Jair Littig)


PS: Nas próximas publicações do Blog, colocarei mais da História de Marechal Floriano = Contando Histórias.

Giovana Cristina Schneider

sábado, 17 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... Homenagens Póstumas.


Na história de Marechal, muitos fizeram a diferença ...
Quem foi José Henrique Pereira? A praça tem este nome, e atualmente alguns moradores não sabem, quem foi este homem.




* 1918 
José Henrique Pereira muda-se para Marechal Floriano. Comprou várias casas em redor da Estação Ferroviária, pertencente ao Srº Belarmino Pinto. Sua primeira residência foi a que hoje pertenceu a seu filho Hercilio, depois foi morar na casa que pertence a Srª Nadir Kuster.

* José Henrique Pereira 
Nasceu em 17 de Abril de 1876. Era filho de José Francisco Pereira e de Maria Thereza de Jesus. Seus padrinhos de batismo foram José Pereira de Barcelos e Francisca de Tereza de Jesus. Casou-se com Luiza Maria Kumm Pereira.
Residia em Santa Leopoldina. Era proprietário de tropas, transportava café de Santa Leopoldina, para vender em Araguaia, para a família Ronqui. Chegou em Marechal Floriano em 1918. Foi comerciante, comprou várias casas e lotes ao lado da estação ferroviária, pertecente ao Srº Belarmino Pinto. Na eleição de 1928 foi prefeito interino na Prefeitura de Domingos Martins.
Na construção da rodovia estadual de 1930, ligando Vitória ao município de Castelo, contribuiu com madeira para a construção da primeira ponte. Foi ele que negociou a instalação de energia elétrica para a Vila. Também partiu dele em 1926 
de instalar telefone público.
O Srº José Henrique faleceu em 17 de Outubro de 1967.

Fonte: Dados da Vila de Marechal Floriano.
(Jair Littig)



PS: Nas próximas publicações do Blog, colocarei mais da História de Marechal Floriano = Contando Histórias.

Giovana Cristina Schneider



sexta-feira, 16 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO ... Contando Histórias.

A chegada em uma terra estranha.

Em 10 de Junho de 1859 chega no Porto de Vitória, o navio com imigrantes alemães, A. Borsig. A maioria destas famílias, em 1862 foram residir na região do Rio Braço do Sul.



Relação das famílias:
Kiefer, Krehbiel, Seibel, Knuettel, Bardes, Ewald, Köhler, Waltere, Eberling e Groskopf.
Obs: O navio A. Borsig partiu do porto de Antuérpia na Holanda, no dia 03 de Abril de 1859, com destino a América do Norte. A o sair da Ilha Madeira, o navio tomou outro rumo, o Brasil, chegando ao Porto de Vitória. Pesquisado do livro "Imigrante a duras penas", do autor Ivan Seibel.


* Presidente da província Pedro Leão Velloso, ordenou a medição de novo prazo ao sul da Colônia, as margens do Rio Braço do Sul. Foi contratado o Engenheiro Pedro Cláudio Soído para demarcar 100 prazos, sendo que no lado direito da margem do Rio Braço do Sul, serão 35, onde projeta uma ponte. Esta região ficou conhecida como Colônia Nacional do Braço do Sul. Dentro deste projeto que surgiu a Vila Braço do Sul, hoje Marechal Floriano.



* Em 30 de Maio 1859, embarcaram no navio Luise Friedericke, Porto de Hamburg, na Alemanha, os irmãos Krölhing (Johann e Heinrich), seu destino foi a Colônia Nacional do Braço do Sul. Foram os fundadores da Vila de Santa Maria. Eram naturais da região do Hesse, província de Sulzheim.

*1861

* Chega na Colônia do Braço do Sul novas famílias de alemães:
Balzer, Berg, Damm, Dietze, Ficher, Herbst, Hertel, Hoffmam, Hüber, Hülle, Klippel, Kloss, Koehler, Kröhling, Littig, Mees, Moebius, Müller, Raas, Rasch, Roos, Rupf, Saiter, Shulz, Schunk, Uhl.

* Famílias de brasileiros pesquisados:
Almeida, Bandeira, Coelho, Correia, Deodato, Felisberto, Ferreira, Marques, Martins, Nascimento, Neves, Penha, Pereira, Pinto, Santana, Fernandes Reis, Coutinho Rangel e Vitória.

* Também veio residir nesta região filhos e netos dos primeiros imigrantes que chegaram a Colônia de Santa Isabel em 1847, onde podemos citar: Schneider, Velten, Gerhardt, Hand, Hehr, Christ, e Stein.

* Um dos primeiros filhos de imigrantes a nascer nesta região foi Gustav Fischer, filho de Franz e Friederike Kramer, imigrantes alemães, que vieram para a região do Braço do Sul. Gustav nasceu em 21 de Março de 1861, conforme registro de nascimento do livro da Igreja Luterana de Campinho/ES.

* Neste mesmo ano começou a ser construída a ponte sobre o rio Braço do Sul. O local desta ponte hoje, é a que situa no segundo trevo, em Marechal Floriano, saindo para Belo Horizonte. O custo da ponte foi de 1.754,260 ( Hum mil conto, setecentos e cinquenta e quatro reais).


Relatos da época:

* Segundo informação do Srº João Kuster 1º, seu pai Jacob Kuster dizia que quando chegaram a Vila Braço do Sul em Outubro de 1862, com 06 anos, os imigrantes ficavam alojados em um barração construído de madeira, coberto com folhas de coco, até que se arrumava o seu lote e sua casa, e que seu pai também dizia: "A Vila do Braço do Sul, ficou muitos anos sem moradores, devido este local ser muito alagado, onde havia proliferação da febre amarela."


Fonte: História do Município de Marechal Floriano.
(Jair Littig)

PS: Nas próximas publicações do Blog, colocarei mais da História de Marechal Floriano = Contando Histórias.

Giovana Cristina Schneider

quarta-feira, 14 de maio de 2014

MARECHAL FLORIANO TEM HISTÓRIA ... Filtrando Fatos.


Marechal Floriano.
 /1861 até 1969/





1861 =>  Foi no governo de José Fernandes da Costa Pereira Júnior, que foram construídas as primeiras casas nesta região, sendo que a maioria foi destruída pelas chuvas torrenciais. Foi projetada uma estrada hoje conhecida como Costa Pereira, perto de Bom Jesus.

1862 => Neste ano a Colônia Nacional Braço do Sul, passou a ser Vila Braço do Sul, hoje a cidade de Marechal Floriano. Conforme relatório da Assembléia Legislativa, datado de 22 de Outubro de 1862, pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, comércio e Obras Públicas, Coronel e Engenheiro Pedro de Alcântara Bellegarde.

1872 => Em 19 de Agosto, o Presidente da Província do Espírito Santo, o Srº Antônio Gabriel de Paula Fonseca projeta uma estrada de ferro que partia de Vitória a cidade de Cachoeiro do Itapemirim, estrada essa que passaria na Colônia de Santa Izabel, incluindo a Vila Braço do Sul.

1886 => Ulrich Kuster vem residir na Vila Braço do Sul, e funda a primeira escola, passa a dar aulas ( a aula era toda no idioma Alemão). 

1890 => Phillipp Endlich constrói o primeiro sobrado na Vila Braço do Sul. Neste sobrado também era seu comércio de café e vendas, situada na atual Rua:Emílio Hülle, esta edificação pertence hoje a família Lovatti.

1900 => No dia 13 de Maio, foi inaugurada a Estação Ferroviária, a partir da inauguração a Vila Braço do Sul passa a ser chamada "Marechal Floriano."




1916 => Em 08 de Fevereiro foi fundada a primeira Igreja Católica da Vila de Marechal Floriano. Uma parte do terreno foi doado por Anna Maria Degen Endlich, para construir a Igreja, e a outra parte por Vitto Travaglia para construir o cemitério, teve ajuda de católicos e luteranos. No dia 17 de Dezembro, a capela foi benzida pelo Vigário Padre Martins.

1926 => Em 15 de Abril, o Presidente do Estado Florentino Ávidos inclui a Vila de Marechal Floriano na rede telefônica, ligando a Vila com Campinho e Matilde.

1928 => Neste mesmo ano o Srº Emílio Entringer compra no Rio de Janeiro o primeiro carro da Vila de Marechal Floriano. O carro veio transportado de trem do Rio de Janeiro.




1930 => Com a crise do café, a Vila de Marechal Floriano ficou numa situação difícil. Muitos compradores de café não conseguiram honrar suas dívidas, houve suicídios de lavradores.

1950 => O Governo Federal projeta uma estrada de rodagem que ligaria o porto de Vitória, até a cidade de Cuiabá no Mato Grosso. Esta estrada era conhecida como BR 31 hoje a BR 262.

1959 => O primeiro táxi da Vila de Marechal Floriano, foi do Samiro Pagung. Um carro modelo Ford 29, placa 2-70-53, de Cachoeiro do Itapemirim. Na época era conhecido como "Carro de Praça."





1960 => Em Março acontece a maior enchente de todos os tempos



*Neste mesmo ano o Srº Selso Stein constrói um prédio de dois andares no centro da Vila, foi a segunda construção de dois andares na Vila de Marechal Floriano.

1964 => 13 de Janeiro foi criado o Distrito de Marechal Floriano, pela lei Estadual de nº 1.956/64.

1965 => Em Janeiro é testado pela primeira vez a televisão.

1967 => Foi demolida a Igreja Católica ( Patrimônio de Marechal Floriano).



1969 => Em Novembro foi inaugurada a BR 262, ligando Vitória a cidade de Betim.




Fonte: História do Município de Marechal Floriano
(Jair Littig)

PS: Nas próximas publicações do Blog, colocarei mais da História de Marechal Floriano = Contando Histórias.

Giovana Cristina Schneider