Seguidores

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

UMA LENDA CHINESA (2) ...

O CESTO E A ÁGUA 

Dizem que isto aconteceu em um mosteiro chinês muito tempo atrás.

Um discípulo chegou para seu mestre e perguntou:

- Mestre, por que devemos ler e decorar a Palavra de Deus se nós não conseguimos memorizar tudo e com o tempo acabamos esquecendo? Somos obrigados a constantemente decorar de novo o que já esquecemos.

O mestre não respondeu imediatamente ao seu discípulo. Ele ficou olhando para o horizonte por alguns minutos e depois ordenou ao discípulo:

 - Pegue aquele cesto de junco, desça até o riacho, encha o cesto de água e traga até aqui.

O discípulo olhou para o cesto sujo e achou muito estranha a ordem do mestre, mas, mesmo assim, obedeceu. Pegou o cesto, desceu os cem degraus da escadaria do mosteiro até o riacho, encheu o cesto de água e começou a subir de volta. Como o cesto era todo cheio de furos, a água foi escorrendo e quando chegou até o mestre já não restava nada.

O mestre perguntou-lhe:

- Então, meu filho, o que você aprendeu?

O discípulo olhou para o cesto vazio e disse, jocosamente:

- Aprendi que cesto de junco não segura água.

 O mestre ordenou-lhe que repetisse o processo de novo. Quando o discípulo voltou com o cesto vazio novamente, o mestre perguntou-lhe:

  - Então, meu filho, e agora, o que você aprendeu?

   O discípulo novamente respondeu com sarcasmo:

 
- Que cesto furado não segura água.

 O mestre, então, continuou ordenando que o discípulo repetisse a tarefa. Depois da décima vez, o discípulo estava desesperadamente exausto de  tanto descer e subir as escadarias. Porém, quando o mestre lhe perguntou de novo:

 - Então, meu filho, o que você aprendeu?

O discípulo, olhando para dentro do cesto, percebeu admirado:

 
- O cesto está limpo! Apesar de não segurar a água, a repetição constante de encher o cesto acabou por lavá-lo e deixá-lo limpo.

 O mestre, por fim, concluiu:

 - Não importa que você não consiga decorar todas as passagens da Bíblia que você lê, o que importa, na verdade, é que no processo a sua mente e a sua vida ficam limpas diante de Deus. 



QUE ASSIM SEJA MEUS QUERIDOS AMIGOS ...

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER 
 

  




  



terça-feira, 29 de novembro de 2011

PENSEM NISSO ...

A ALMA DO MUNDO
(Chico Xavier)

Quando você conseguir superar graves problemas de relacionamentos, não se detenha na lembrança dos momentos difíceis, mas na alegria de haver atravessado mais essa
prova em sua vida.


Quando sair de um longo tratamento  de saúde, não pense no sofrimento que foi necessário enfrentar, mas na benção de Deus que
permitiu a cura.


Leve na sua memória, para o resto da vida, as coisas boas que surgiram nas dificuldades.
Elas serão uma prova de sua capacidade, e lhe darão confiança diante de qualquer obstáculo.  


Uns queriam um emprego melhor;
outros, só um emprego.
Uns queriam uma refeição mais farta;
outros, só uma refeição.
Uns queriam uma vida mais amena;
outros, apenas viver.
Uns queriam pais mais esclarecidos;
outros, ter pais.


Uns queriam ter olhos claros; outros, enxergar.
Uns queriam ter voz bonita; outros, falar.
Uns queriam silêncio; outros, ouvir.
Uns queriam sapato novo; outros, ter pés.


Uns queriam um carro; outros, andar.
Uns queriam o supérfluo;
outros, apenas o necessário.
Há dois tipos de sabedoria:
a inferior e a superior.


A sabedoria inferior é dada pelo quanto uma pessoa sabe e a superior é dada pelo quanto ela tem consciência de que não sabe.
Tenha a sabedoria superior. Seja um eterno aprendiz na escola da vida. 


A sabedoria superior tolera, a inferior julga;
a superior alivia, a inferior culpa;
a superior perdoa, a inferior condena.
Tem coisas que o coração só fala para quem sabe escutar!

      
ESTE TEXTO REALMENTE NOS 
FAZ PENSAR ...
DE COMO MUITAS VEZES SOMOS 
EGOÍSTAS EM CERTAS SITUAÇÕES
DA VIDA ...
ESPERO QUE TENHAM 
GOSTADO !!!

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

CENTENÁRIO DE MARIO LAGO

"Eu não sou saudosista. Não fico lamentando: ’ah, o meu tempo’. Meu tempo é hoje. Não fico na calçada vendo o desfile passar. Eu vou junto".

 Mário Lago (Rio de Janeiro, 26 de novembro de 1911 — Rio de Janeiro, 30 de maio de 2002) foi um compositor, letrista e ator brasileiro.

Autor de sambas populares como "Ai, que saudades da Amélia" e "Atire a primeira pedra", ambos em parceria com Ataufo Alves, fez-se popular entre as décadas de 40 e 50, ajudando a tornar o samba a mais representativa música brasileira.





 Ator de teatro, no gênero comédia, poeta, radialista, advogado, por longo período militante do Partido Comunista. Mário Lago é um ícone da cultura brasileira. Imortalizou-se com suas canções populares e marchinhas feitas para o carnaval.

Mário Lago era filho de um maestro, Antônio Lago, e encontrou nas letras o seu refúgio intelectual.

 Começou pela poesia, e teve seu primeiro poema publicado aos 15 anos. Formou-se em Ciências 
Jurídicas e Sociais na década de 30, na então Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro, 
atual Faculdade de Direito da UFRJ, onde iniciou sua militância política no Centro Acadêmico Cândido de Oliveira, então fortemente influenciado pelo Partido Comunista Brasileiro. Durante a década de 1930, a então principal Faculdade de Direito da capital da República era um celeiro de arte aliada à política, onde estudavam Lago e seus comteporâneos Carlos Lacerda, Jorge Amado, Lamartine Babo entre outros.
 Depois de formado, já como advogado, envolveu-se com o teatro de revista, escrevendo, compondo e atuando. Sua estréia como letrista de música popular foi com "Menina, eu sei de uma coisa", parceria com Custódio Mesquita, gravada em 1935 por Mário Reis. Três anos depois, Orlando Silva realizou a famosa gravação de "Nada além", da mesma dupla de autores.
 Suas composições mais famosas são "Ai que saudades da Amélia", "Atire a primeira pedra", ambas em parceria com Ataulfo Alves; "É tão gostoso, seu moço", com Chocolate, "Número um", com Benedito Lacerda, o samba "Fracasso" e a marcha carnavalesca "Aurora", em parceria com Roberto Roberti, que ficou consagrada na interpretação de Carmen Miranda.

Em "Amélia", a descrição daquela mulher idealizada, ficou tão popular que "Amélia" tornou-se sinônimo de mulher submissa, resignada e dedicada aos trabalhos domésticos.


Na Rádio Nacional, Lago foi ator e roteirista, escrevendo a radionovela "Presídio de Mulheres". Mas o grande público só ficou o conhecendo pela televisão, quando passou a atuar em novelas da Rede Globo como "O Casarão", "Nina", "Brilhante", "Elas por Elas" e "Barriga de Aluguel", entre outras. Também atuou em peças de teatro e filmes, como "Terra em Transe", de Glauber Rocha.


Autor dos livros "Na Rolança do Tempo" (1976), "Bagaço de Beira-Estrada" (1977) e "Meia Porção de Sarapatel" (1986), foi biografado em 1998 por Mônica Velloso na obra: "Mário Lago: boêmia e política". A escola de samba Acadêmicos de Santa Cruz homenageou Lago em 2000.


Em dezembro de 2001, ganhou uma homenagem especial por sua carreira durante a entrega do Troféu Domingão do Faustão. No ano seguinte, essa homenagem pela carreira ganharia o nome de Troféu Mário Lago, se tornando anual e sendo entregue à grandes nomes da teledramaturgia.


Em janeiro de 2002, o presidente da Câmara, Aécio Neves, foi à sua residência no Rio para lhe entregar, solenemente, a Ordem do Mérito Parlamentar. Na sua última entrevista ao Jornal do Brasil, Mário revelou que estava escrevendo sua própria biografia. Estava certo de que chegaria aos 100 anos, dizia Mário, "Fiz um acordo com o tempo. Nem ele me persegue, nem eu fujo dele".


Morreu no dia 30 de maio de 2002, aos noventa anos de idade, em sua casa, na Zona Sul do Rio de Janeiro, de enfisema pulmonar.

 



É UM ENORME PRAZER SABER UM POUCO DA TRAJETÓRIA DE 
PESSOAS QUE FIZERAM A DIFERENÇA ...


GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER 

 

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

PARA UMA BOA REFLEXÃO (3) ...

Quantas vezes gostamos tanto de alguém e essa pessoa está sempre amarga. Ou muitas vezes nós mesmos estamos sendo amargos com as pessoas que gostam de nós e não percebemos.
Hoje trago uma mensagem para que possamos refletir sobre isso, espero que gostem.



A BORBOLETA E O CAVALINHO 

 

 

 
Esta é a história de duas criaturas de Deus, que viviam numa distante floresta , há muitos anos atrás.

Na verdade, não tinham praticamente nada em comum, mas em certo momento de suas vidas, aproximaram-se e criaram um elo.

A borboleta era livre, voava por todos os cantos da floresta, enfeitando a paisagem. Já o cavalinho, tinha grandes limitações, não era bicho solto que pudesse viver entregue a natureza. Nele, certa vez, foi colocado um cabresto por alguém que visitou a floresta, e a partir daí sua liberdade foi cerceada.
A borboleta no entanto, embora tivesse a amizade de muitos outros animais e a
liberdade de voar por toda a floresta, gostava de fazer companhia ao cavalinho, agradava-lhe ficar ao seu lado e não era por pena, era por companheirismo, afeição, dedicação e carinho.
Assim, todos os dias, ia visitá-lo e lá chegando levava sempre um coice, depois então um sorriso.
Entre um e outro, ela optava por esquecer o coice e guardar dentro de seu coração, o sorriso.
Sempre o cavalinho insistia com a borboleta que lhe ajudasse a carregar o seu cabresto, por causa do seu enorme peso. Ela, muito carinhosamente, tentava de todas as formas ajudá-lo, mas isso nem sempre era possível, por ser ela uma criaturinha tão frágil.
Os anos se passaram e numa manhã de verão a borboleta não apareceu para visitar o seu companheiro. Ele nem percebeu, preocupado que ainda estava em se livrar do cabresto.
Vieram outras manhãs, até que chegou o inverno e o cavalinho sentiu-se só e finalmente percebeu a ausência da borboleta.
Resolveu então, sair do seu canto e procurar por ela. Caminhou por toda a floresta a observar cada cantinho, onde ela poderia ter se escondido e não a encontrou. Cansado deitou-se embaixo de uma árvore. Logo em seguida, um elefante se aproximou e lhe perguntou quem era ele e o que fazia por alí.
- Eu sou o cavalinho do cabresto e estou a procura de uma borboleta que sumiu.
- Ah, é você então, o famoso cavalinho?
- Famoso, eu?
- É que eu tive uma grande amiga que me disse que também era sua amiga, e falava muito bem de você. Mas afinal, qual borboleta você está procurando?
- É uma borboleta colorida, alegre, que sobrevoava a floresta todos os dias visitando todos os animais amigos.
- Nossa, mas era justamente dela que eu estava falando. Não ficou sabendo?
Ela morreu e já faz muito tempo.
- Morreu? Como foi isso?
- Dizem que ela conhecia aqui na floresta um cavalinho, assim como você e todos os dias quando ela ia visitá-lo, ele dava-lhe um coice.
Ela sempre voltava com marcas horríveis e todos perguntavam a ela quem havia feito aquilo, mas ela jamais contou à ninguém.Insistíamos muito para saber quem era o autor daquela malvadeza e ela respondia que só ia falar das visitas boas que tinha feito naquela manhã e era aí que ela falava com a maior alegria de você.
Nesse momento o cavalinho já estava derramando muitas lágrimas de tristeza e de arrependimento.
- Não chore meu amigo, sei o quanto você deve estar sofrendo. Ela sempre me disse que você era um grande amigo, mas entenda, foram tantos os coices que ela recebeu desse outro cavalinho, que ela acabou perdendo as asinhas, depois ficou muito doente, triste, sucumbiu e morreu.
- E ela não mandou me chamar nos seus últimos dias?
- Não, todos os animais da floresta quiseram lhe avisar, mas ela disse o seguinte:
" Não perturbem meu amigo com coisas pequenas, ele tem um grande problema, que eu nunca pude ajudá-lo a resolver. Carrega em seu dorso um cabresto, então será cansativo demais para ele vir até aqui."

Você pode até aceitar os coices que lhe derem, quando eles vierem acompanhados de beijos, mas em algum momento da sua vida, as feridas que eles vão lhe causar, não serão mais possíveis de serem cicatrizadas.
Quanto ao cabresto, não culpe ninguém por isto, afinal, muitas vezes foi você mesmo que o colocou no seu dorso
, OU PERMITIU QUE FOSSE COLOCADO.

 

 

NUNCA COLOQUE A CULPA EM NINQUÉM PELO FARDO 

QUE É SEU E , LEMBRE-SE QUE PODEMOS AMAR PESSOAS 

ASSIM , MAS CHEGA UM MOMENTO QUE AS FERIDAS NÃO 

IRÃO MAIS CICATRIZAR .


Porque parte de nós é entendimento... a outra parte é aprendizado...
Que você possa ter forças para vencer todos os seus medos...
Que no final possa alcançar todos os seus objetivos...
Que durante a sua vida você possa construir sentimentos verdadeiros....

Para ser feliz não existe poção mágica.
É preciso somente que tenha a alma limpa e desprovida de mágoas e rancores.
Quanto mais tempo ficarmos remoendo as dores mais tempo levaremos para cicatrizar as feridas.

Estamos aqui de passagem. Nada trouxemos e nada levaremos.
Cada um é livre para cumprir a sua missão...




O TEXTO " A BORBOLETA E O CAVALINHO " É DE AUTORIA DESCONHECIDA ,
ACHEI MUITO INTERESSANTE E ESPERO QUE POSSA SERVIR PARA UMA BOA 
REFLEXÃO !!!
 
 GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

UMA LENDA CHINESA ...

A lenda chinesa dos "três monges"





Conta-se na China existiram em tempos três monges.


Só faziam uma coisa: entravam numa aldeia, ficavam especados no local do mercado e começavam a rir.


Uma multidão se juntava em torno e, só de olhar para eles que riam com todo o seu ser, todos desatavam a rir.


Toda a aldeia se envolvia e, então, os monges dirigiam-se para outra aldeia.


Eram muito amados.


Era esse o seu único sermão, a única mensagem - aquele riso.


Não ensinavam nada, limitavam-se a criar a situação.


"Os três monges do riso" tornaram-se conhecidos em todo o país.


Toda a China os amava e os respeitava. Nunca alguém pregara aquele caminho - que a vida devia ser uma risada e nada mais, e eles nao riam de ninguém em particular, simplesmente riam, como se tivessem entendido a anedota cósmica.


Sem uma única palavra, espalharam imensa alegria por toda a China.


Quando lhes perguntavam os nomes, eles limitavam-se a rir, daí o nome "os três monges do riso".


Envelheceram e, numa aldeia, um dos três monges morreu.


Toda a aldeia ficou ansiosa e cheia de expectativas, agora, que um deles tinha morrido, havia um motivo para chorar. Ninguém conseguiia imaginar qualquer deles chorando.


Toda a aldeia se reuniu.


Os dois monges ladeavam de pé o cadáver do terceiro e riam compulsivamente. Então, os aldeãos, pediram "pelo menos expliquem-nos isto!".


Pela 1ª vez, eles falaram: "estamos a rir porque este homem venceu.


Estávamos sempre a pensar qual de nós morreria 1º e este homem derrotou-nos. Estamos a rir à nossa derrota, à sua vitória.


Além disso, ele viveu connosco muito anos, rimos juntos e desfrutámos de muita alegria. Não há melhor maneira de lhe desejar boa viagem.


Só somos capazes de rir".


Toda a aldeia estava triste, mas quando o cadáver do monge foi colocado na pira funerária, então todos compreenderam que não eram apenas os outros dois que se estavam a divertir - o terceiro homem, o que estava morto, também estava a rir.


Porque tinha dito aos seus companheiros "nao mudem as minhas vestes" contrariamente à tradiçao que, além de mudar as vestes mandava dar um banho.


"Não me dêem banho porque eu nunca estive sujo, ri tanto na minha vida que, perto de mim. não se pode acumular qualquer impureza.


O riso é sempre jovem e fresco. Por isso, nao me dêem banho nem mudem as minhas vestes".


Assim, por respeito, o fizeram . Quando o corpo foi colocado no fogo, depressa se aperceberam que havia muita coisa escondida sob as vestes: e essas coisas accionaram ... um fogo de artifício chinês!


Toda a aldeia desatou a rir e os outros dois disseram "seu malandro!


Morreste mas continuas a derrotar-nos.


És o último a rir."


Quando compreendemos toda a comicidade deste cosmos, é impossível não darmos uma gargalhada cósmica.



RIR SEMPRE FOI E SEMPRE SERÁ O MELHOR REMÉDIO ...
SORRIA SEMPRE !!!


GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER 

terça-feira, 22 de novembro de 2011

SÓ TENHO A AGRADECER ...




 


 OBRIGADA SENHOR DA VIDA POR MAIS UMA OPORTUNIDADE,
DE SAUDAR A VIDA E VIVER ...



MUDANÇAS TIVERAM ...
HOJE VIVO DIFERENTE , MAS UMA DIFERENÇA 
QUE ME FEZ CRESCER ...
HOJE OLHO A DIFERENÇA DA VIDA E REFLITO ,
QUE NADA NA VIDA EM ABSOLUTO É POR ACASO ...
HOJE NÃO SOFRO MAIS PELOS "AMIGOS "
QUE SE FORAM , AGRADEÇO , POIS LEVARAM 
CONSIGO SUA PEQUENEZ ...
ALEGRO-ME PELO BONS AMIGOS QUE FICARAM ,
SEREI SEMPRE GRATA , POIS TRAZEM CONSIGO 
A MAGNITUDE DA VERDADEIRA 
AMIZADE ...
 




QUATRO ANOS JÁ SE PASSARAM ...
SÃO 1.460 DIAS DE APRENDIZADO DE VIDA ...
TRAUMAS TEIMAM E CAMPEIAM AINDA MINHA
MENTE , ACREDITO QUE UM DIA VAI PASSAR ...
E ASSIM VOU VIVENDO UM DIA DE CADA VEZ !!!



GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER  







domingo, 20 de novembro de 2011

20 de Novembro." Dia da consciência Negra."

“A cor da pele não define nosso caráter, nossos atos é que são responsáveis pelo mesmo “




O BRASIL FOI O ÚLTIMO PAÍS ABOLIR A ESCRAVIDÃO, ENTRETANTO 
EM VÁRIOS MEIOS AINDA SE PERCEBEM MANIFESTAÇÕES QUE NÃO 
APONTAM PARA ESSA REALIDADE . 
A SEGREGAÇÃO RACIAL AINDA CAMPEIA EM MENTES VAGAS E ALIENADAS , 
QUE BUSCAM DE FORMA PRIMITIVA E GROTESCA COMO SE O ESPAÇO 
GEOGRÁFICO E O MERCADO DE TRABALHO TIVESSE DE SER DEFINIDO 
PELA COR DA PELE .





A MISTICA DE QUE NÃO EXISTE RACISMO NO PAÍS É TÃO DEMAGÓGICA ,
CÍNICA , DESUMANA E QUE CHEGA ÀS RAIAS DA INJUSTIÇA SOCIAL ...
MUITAS VEZES CAMUFLADAS , PORÉM , PERCEPTÍVEL A QUALQUER UM
DO POVO , QUE SOFRE NO SEU DIA-A-DIA , AS DESIGUALDADES SOCIAIS 
EM TODOS OS RAMOS DE ATIVIDADES . 

*AOS QUE AINDA EXERCITAM ESSA PRÁTICA , FICA AQUI MEU REPÚDIO . 

*AOS QUE AS COMBATEM , DEIXO UM FORTE ABRAÇO E UM AMIGÁVEL 
  APERTO DE MÃO .

ESPERO QUE UM DIA HAJA IGUALDADE ENTRE OS POVOS ...
INDEPENDENTEMENTE DE QUAISQUER QUE SEJA SUA COR DA PELE , 
CREDO , ETNIA , OPÇÃO SEXUAL , ETC ...




Zumbi dos Palmares

Zumbi dos Palmares é um conhecido líder quilombola. Sua história começa em 1655 com seu nascimento em Alagoas, em um dos mocambos de Palmares. O seu nome vem do quimbundo “nzumbi”, e quer dizer “duende” (no Brasil, a tradução também é interpretada como “fantasma”). Com apenas sete anos, em 1662, Zumbi é capturado por soldados e entregue a um padre (Pe. António Melo) que torna-se responsável por sua formação. Batizado na igreja Católica como Francisco, ele ajudava nas missas além de estudar Português e Latim. Aos quinze anos, em 1670, Zumbi foge para o Quilombo de Palmeres onde obtém reconhecimento pelas suas habilidades marciais. Com apenas vinte anos (1675) já é um respeitável estrategista militar e guerreiro, atuando na luta contra os soldados do Sargento-mor Manuel Lopes.
1673 é a data do primeiro registro histórico referente a Zumbi. Seu nome aparece em relatos portugueses sobre uma expedição que foi derrotada pelos quilombolas.
Em 1678 o líder de Palmares, Ganga-Zumba, é chamado a negociar com o governador da Capitania de Pernambuco (Pedro de Almeida). A proposta do governador consistia em dar liberdade para os negros do Quilombo de Palmares perante a submissão à Coroa Portuguesa. Ganga-Zumba aceita, mas Zumbi vai contra essa decisão alegando que não se podia dar a liberdade somente ao povo de Palmares havendo ainda milhares de outros negros sendo escravizados. Por este ato, Zumbi se torna o novo líder de Palmares.
Notando a dificuldade de derrotar o quilombo, contrata-se o bandeirante paulistano Domingos Jorge velho com o apoio do governo, Jorge Velho e seus homens rechaçam Palmares e ferem Zumbi, que consegue fugir. Um ano depois, ao dia 20 de novembro de 1965, Zumbi é delatado por um antigo companheiro – após localizado, ele é preso e degolado.


zumbi dos palmares
Atualmente, à memória da morte de Zumbi dos Palmares, celebramos ao 20 de novembro o Dia da Consciência Negra.




ABRAÇO CARINHOSO E FRATERNAL A TODOS QUE TEM A 
CONSCIÊNCIA DESTE DIA ...

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER 

 

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

ESCOLHAS DA VIDA ...




O URSO , A ONÇA E O MORANGO ...







"Um sujeito estava caindo de um barranco e se agarrou às raízes de uma árvore. Em cima do barranco, havia um urso imenso querendo devorá-lo. O urso rosnava, mostrava os dentes, babava de ansiedade pelo prato que tinha à sua frente. Embaixo, prontas para engoli-lo quando caísse, estavam nada menos do que seis onças absolutamente famintas.
Ele erguia a cabeça, olhava para cima e via o urso rosnando.
Quando o urso dava uma folga, ouvia o urro das onças, próximas do seu pé.
As onças embaixo querendo comê-lo e o urso em cima querendo devorá-lo.






Em determinado momento, ele olhou para o lado esquerdo e viu um morango vermelho, lindo, com escamas douradas refletindo o sol.
Num esforço supremo, apoiou o seu corpo, sustentado pela mão direita, e, com a esquerda, pegou o morango.

Quando pôde olhá-lo melhor, ficou inebriado com a sua beleza. Então, levou o morango à boca e se deliciou com o sabor doce e suculento.
Foi um prazer supremo comer aquele morango tão gostoso."

Talvez você pergunte: "Mas, e o urso?" Dane-se o urso, coma o morango!!!
"E as onças?" Azar das onças. Coma o morango!





Relaxe, e viva um dia de cada vez! Coma o morango! Problemas acontecem na vida de todos nós, até o último suspiro. Sempre existirão problemas, desafios e obstáculos.
Isso faz parte da vida e é importante que saibamos viver dentro desse cenário. Mas precisamos saber comer os morangos.

A vida está acontecendo agora. Nesse exato momento deve haver um morango esperando por você. O melhor momento para ser feliz é agora.
O futuro é uma ilusão que sempre será diferente do que imaginamos.
" Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal." Mt6:34
As pessoas visualizam metas e, quando as realizam, descobrem que elas não trouxeram a felicidade. Elas esquecem que a felicidade é construída todos os dias. Eu aqui, torço para que você descubra sua maneira de ser feliz! Autor: Roberto Shinyashiki


 
 FAÇA A SUA ESCOLHA ...


GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER 
 

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

PARA UMA BOA REFLEXÃO (2) ...

UMA LENDA CHINESA

Era uma vez, uma jovem chamada Lin, que se casou e foi viver com o marido na casa da sogra. Depois de algum tempo, começou a ver que não se adaptava à sogra. Os temperamentos eram muito diferentes e Lin cada vez se irritava mais com os hábitos e costumes da sogra, que criticava cada vez com mais insistência.
Com o passar dos meses, as coisas foram piorando, a ponto de a vida se tornar insuportável. No entanto, segundo as tradições antigas da China, a nora tem que estar sempre ao serviço da sogra e obedecer-lhe em tudo. Mas Lin, não suportando por mais tempo a ideia de viver com a sogra, tomou a decisão de ir consultar um Mestre, velho amigo do seu pai.
Depois de ouvir a jovem, o Mestre Huang pegou num ramalhete de ervas medicinais e disse-lhe: "Para te livrares da tua sogra, não as deves usar de uma só vez, pois isso poderia causar suspeitas. Vais misturá-las com a comida, pouco a pouco, dia após dia, e assim ela vai-se envenenando lentamente. Mas, para teres a certeza de que, quando ela morrer, ninguém suspeitará de ti, deverás ter muito cuidado em tratá-la sempre com muita amizade. Não discutas e ajuda-a a resolver os seus problemas."
Lin respondeu: "Obrigado, Mestre Huang, farei tudo o que me recomenda".
Lin ficou muito contente e voltou entusiasmada com o projecto de assassinar a sogra.
Durante várias semanas, Lin serviu, dia sim dia não, uma refeição preparada especialmente para a sogra. E tinha sempre presente a recomendação de Mestre Huang para evitar suspeitas: controlava o temperamento, obedecia à sogra em tudo e tratava-a como se fosse a sua própria mãe. Passados seis meses, toda a família estava mudada. Lin controlava bem o seu temperamento e quase nunca se aborrecia. Durante estes meses, não teve uma única discussão com a sogra, que também se mostrava muito mais amável e mais fácil de tratar com ela. As atitudes da sogra também mudaram e ambas passaram a tratar-se como mãe e filha. Certo dia, Lin foi procurar o Mestre Huang, para lhe pedir ajuda e disse-lhe: "Mestre, por favor, ajude-me a evitar que o veneno venha a matar a minha sogra. É que ela transformou-se numa mulher agradável e gosto dela como se fosse a minha mãe. Não quero que ela morra por causa do veneno que lhe dou." Mestre Huang sorriu e abanou a cabeça: "Lin, não te preocupes. A tua sogra não mudou. Quem mudou foste tu. As ervas, que te dei, são vitaminas para melhorar a saúde. O veneno estava nas suas atitudes, mas foi sendo substituído pelo amor e carinho que lhe começaste a dedicar. "

Na China, há um provérbio que diz: "A pessoa que ama os outros também será amada".

Os árabes têm outro que diz: "O nosso inimigo não é aquele que nos odeia, mas aquele que nós odiamos."


quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Clarice Lispector


 


"Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro..."





1920

- Clarice Lispector nasce em Tchetchelnik, na Ucrânia, no dia 10 de dezembro, tendo recebido o nome de Haia Lispector, terceira filha de Pinkouss e de Mania Lispector. Seu nascimento ocorre durante a viagem de emigração da família em direção à América.



1921
- Clarice Lispector chega ao Brasil com dois meses de idade, razão pela qual se considera muito mais brasileira do que russa,e vai residir em Maceió.




* Falar de Clarice Lispector além de ser uma alegria, é como se fosse sempre pela primeira vez. Porque é inesgotável, é incomensurável, de uma beleza tão infinita que até rosas se calariam para ouvir a estória de uma menina ucraniana que veio para o Brasil plantar suas flores em forma de contos e poesia. Mas essas flores não murcharam e nem morreram, porque são as flores de Clarice.




* O incêndio

Em 1966 Clarice dorme com um cigarro na boca e provoca incêndio cruel de onde sai bastante queimada, ficando entre a vida e a morte. Se recupera mas as cicratizes horrendas a deixam complexada e deprimida. Os amigos ajudam e Clarice volta a escrever como nunca. Jamais parou. Um fenômeno da Literatura.









Passou a infância em Recife e em 1937 mudou-se para o Rio de Janeiro, onde se formou em direito. Estreou na literatura ainda muito jovem com o romance Perto do Coração Selvagem (1943), que teve calorosa acolhida da crítica e recebeu o Prêmio Graça Aranha.

Em 1944, recém-casada com um diplomata, viajou para Nápoles, onde serviu num hospital durante os últimos meses da Segunda Guerra. Depois de uma longa estada na Suíça e Estados Unidos, voltou a morar no Rio de Janeiro. Entre suas obras mais importantes estão as reuniões de contos A Legião Estrangeira (1964) e Laços de Família (1972) e os romances A Paixão Segundo G.H. (1964) e A Hora da Estrela (1977).

Clarice Lispector começou a colaborar na imprensa em 1942 e, ao longo de toda a vida, nunca se desvinculou totalmente do jornalismo. Trabalhou na Agência Nacional e nos jornais A Noite e Diário da Noite. Foi colunista do Correio da Manhã e realizou diversas entrevistas para a revista Manchete. A autora também foi cronista do Jornal do Brasil. Produzidos entre 1967 e 1973, esses textos estão reunidos no volume A Descoberta do Mundo.

Escreve a crítica francesa Hélène Cixous: "Se Kafka fosse mulher. Se Rilke fosse uma brasileira judia nascida na Ucrânia. Se Rimbaud tivesse sido mãe, se tivesse chegado aos cinqüenta. (...). É nessa ambiência que Clarice Lispector escreve. Lá onde respiram as obras mais exigentes, ela avança. Lá, mais à frente, onde o filósofo perde fôlego, ela continua, mais longe ainda, mais longe do que todo o saber".


A obra de Clarice Lispector expressa uma visão profundamente pessoal e existencialista do dilema humano, num estilo que se caracteriza pelo vocabulário simples e pela estrutura frasal elíptica. Sua ficção transcende o tempo e o espaço; os personagens, postos em situações limite, são com freqüência femininos e só secundariamente modernos ou mesmo brasileiros.
A melhor prosa da autora se mostra nos contos de A Legião Estrangeira (1964) e Laços de Família (1972). Em obras como A maçã no Escuro (1961), A Paixão Segundo G.H. (1964) e Água-viva (1973), os personagens, alienados e em busca de um sentido para a vida, adquirem gradualmente consciência de si mesmos e aceitam seu lugar num universo arbitrário e eterno. Escreveu ainda A Cidade Sitiada (1949), Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres (1969) e A Hora da Estrela (1977), que conta a história de Macabéa, moça do interior em busca de sobreviver na cidade grande. A versão cinematográfica desse romance, dirigida por Suzana Amaral em 1985, conquistou os maiores prêmios do festival de cinema de Brasília e deu à atriz Marcélia Cartaxo, que fez o papel principal, o troféu Urso de Prata em Berlim em 1986.

Faleceu em 9 de dezembro de 1977, de complicações internas (ovários) na véspera de fazer 
57 anos. Foi-se o anjo.

Essa incapacidade de atingir, de entender, é que faz com que eu, por instinto de… de quê? procure um modo de falar que me leve mais depressa ao entendimento. Esse modo, esse “estilo” (!), já foi chamado de várias coisas, mas não do que realmente e apenas é: uma procura humilde. Nunca tive um só problema de expressão, meu problema é muito mais grave: é o de concepção. Quando falo em “humildade” refiro-me à humildade no sentido cristão (como ideal a poder ser alcançado ou não); refiro-me à humildade que vem da plena consciência de se ser realmente incapaz. E refiro-me à humildade como técnica. Virgem Maria, até eu mesma me assustei com minha falta de pudor; mas é que não é. Humildade com técnica é o seguinte: só se aproximando com humildade da coisa é que ela não escapa totalmente. Descobri este tipo de humildade, o que não deixa de ser uma forma engraçada de orgulho. Orgulho não é pecado, pelo menos não grave: orgulho é coisa infantil em que se cai como se cai em gulodice. Só que orgulho tem a enorme desvantagem de ser um erro grave, com todo o atraso que erro dá à vida, faz perder muito tempo.


Entrevista concedida à um jornalista d’O Globo quando não mais falava com a Imprensa, 
foi por telefone:


J.C. — Por que você escreve?
C.L. — Vou lhe responder com outra pergunta: — Por que você bebe água?
J.C. — Por que bebo água? Porque tenho sede.
C.L. — Quer dizer que você bebe água para não morrer. Pois eu também: escrevo para me manter viva.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

PENSE NISSO ...


SOPRE AS CINZAS.
DEIXE-AS AO VENTO...



Quem feriu você, já feriu e já passou. Lá na frente encontrará o
inevitável retorno e pelas mãos de outrem, se merecer, será ferido também.
A Vida se encarregará de
dar-lhe o troco e você, talvez, jamais fique sabendo.
O que importa de verdade é o que você sentiu e, mais importante, é o
que ainda você sente:
Mágoa? Rancor?
Ressentimento? Ódio?
Você consegue perceber
que esses sentimentos foram escolhidos por você?
Somos nós que escolhemos o que sentir diante de agressões e de ofensas.
Quem nos faz o mal é responsável pelo que faz, mas NÓS somos responsáveis pelo que sentimos.
Essa responsabilidade tem a ver com o Amor que devemos e temos que sentir por nós mesmos.
O ofensor fez o que fez e o momento passou, mas o que ficou aí dentro de você?
Mágoa?
- Você sabia que de todas as drogas ela é a mais cancerígena?
Pela sua própria saúde,
jogue-a fora.
Rancor?
- Ele é como um alimento preparado com veneno irreconhecível: dia mais, dia menos, você poderá contrair doenças de cujas origens nem suspeitará.
Ressentimento?
- Pois imagine-se vivendo dentro de um ambiente constantemente poluído, enfumaçado, repleto de bactérias e de incontáveis tipos de vírus: é isso que seu coração e seus pulmões estão tentando agüentar. Até quando você acha que eles vão resistir?
Ódio?
- Seus efeitos são paralisantes. Seu sistema imunológico entrará em conflito com esse veneno que com o tempo poderá colocar você face a face com a morte e talvez muito tarde você venha a perceber que melhor seria ter deixado que seu agressor colhesse os frutos do próprio plantio.
Por seu próprio Bem e pelo seu Bem, perdoe.
O perdão o libertará e o fará livre para ser feliz. Esqueça o mal que lhe foi feito. Deixe o seu ofensor de lado, e não penses nele com ímpetos de vinganças. Siga a sugestão. Se desejas ser feliz por um dia: vinga-te. Se desejas ser feliz por toda a vida: PERDOE
Mude seu destino ...Não permita que suas emoções negativas dominem os seus sentimentos. Seja o(a) comandante da sua nau!
Escolha o melhor caminho
para sua "viagem"
E se outras vezes o ferirem, perdoe ...
Perdoe ... Como Cristo perdoou os que o crucificaram.
Que DEUS, em sua infinita bondade,
Cubra você e sua família de muita Paz,
Saúde e Prosperidade...
QUE TENHAS MUITA PAZ DE ESPÍRITO.


(DESCONHEÇO A AUTORIA)


ABRAÇO CARINHOSO E FRATERNAL MEUS QUERIDOS AMIGOS ...


GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

A MENINA QUE NÃO SABIA SORRIR ...

NA VIDA NADA FOI BOM,
ASSIM PENSAVA ...
NA SUA EXISTÊNCIA MUITO LHE FOI TIRADO ...
NADA DE BOM  LHE FOI  APRESENTADO !!!
E ASSIM A VIDA CONTINUAVA ...






... TUDO COMEÇOU QUANDO NASCEU  E SUA MÃE MORREU ,
    CRIADA PELA IRMÃ E DEPOIS UMA MADRASTA LHE FOI 
    APRESENTADA...
    QUE DE MÃE ???
    NÃO TINHA NADA !!!
    E ASSIM A VIDA CONTINUAVA ...







A TRISTEZA SEMPRE FOI SUA COMPANHEIRA ,

NA INFÂNCIA TRABALHOU ...
NA ADOLECÊNCIA CASOU ...
E NESTA VIDA SE ACOSTUMOU , NUNCA SORRIU ...

UM DIA ATÉ TENTOU ...
SE ENGASGOU E O AR LHE FALTOU ...
E ASSIM PENSOU :
NÃO SEI SORRIR ...
O SORRISO , A VIDA NÃO ME APRESENTOU !!!




GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

TUDO AO SEU TEMPO ...

ECLESIASTES 3, 1-8


Há um tempo para tudo
e um momento sob o céu para fazer cada coisa:
Há um tempo para nascer e outro para morrer;
Um tempo para plantar
e um outro para colher.
Um tempo para matar e outro para curar,
Um tempo para destruir
e um tempo para construir.
Um tempo para chorar e outro par a rir;
um tempo para os lamentos
e um tempo para as danças.
Um tempo para espalhar pedras
e outro tempo para recolhê-las;
Um tempo para abraçar-se e outro para separar-se.
Um tempo para ganhar e outro para perder;
Um tempo para calar e outro para falar.
Um tempo para amar e outro para odiar;
Um tempo para a guerra
e um tempo para a paz.




NA NOSSA PEQUENÊS QUEREMOS QUE TUDO ACONTEÇA LOGO ...
NÃO PENSAMOS QUE TUDO TEM SUA HORA E SEU TEMPO CERTO !!! 
MESMO SE O SEU SENTIMENTO FOR DE FRUSTRAÇÃO , FRACASSO ,
ANGUSTIA POR NÃO CONSEGUIR ALGO QUE DESEJA , SAIBA QUE 
TUDO TEM SEU TEMPO DETERMINADO .





"NO FIM TUDO DÁ CERTO , SE NÃO DEU CERTO É PORQUE AINDA NÃO 
CHEGOU AO FIM ... " 






 
RELEMBRANDO DE MUITOS FATOS QUE ACONTECERAM NA MINHA 
VIDA ...
APRENDI QUE ...
A VIDA É SÁBIA E NINQUÉM ESTÁ LIVRE DAS ALEGRIAS E NEM DOS 
SOFRIMENTOS , O QUE IMPORTA É COMO VOCÊ USA O TEMPO E 
APRENDE COM QUE ACONTECE ENQUANTO ELE PASSA .







GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER
 

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

TUDO NA VIDA TEM O ...










ACORDE FINAL

"Eu havia colocado no toca-discos
aquele disco com poemas de Vinícius e
do Drumond, disco antigo, long-play, o
perigo são os riscos que fazem a agulha
saltar, felizmente até ali tudo tinha
estado liso e bonito, sem pulos e sem
chiados, o próprio Vinícius, na sua voz
rouca de uísque e fumo, havia recitado
os sonetos da separação, da despedida,
do amor total, dos olhos da amada.
Chegara finalmente o último poema,
meu favorito, "o haver" - o Vinícius
percebia que a noite estava chegando,
tratava então de fazer um balanço de
tudo o que se fez e disso, o que foi que
sobrou? Por isso as estrofes começam
todas com uma mesma palavra,
"resta..." - foi isso que sobrou.
Resta essa capacidade de ternura, essa
intimidade perfeita com o silêncio...
Resta essa vontade de chorar diante da
beleza, essa cólera cega em face da
injustiça e do mal entendido...
Resta essa faculdade incoercível de sonhar
e essa pequenina luz
indecifrável a que às vezes os poetas
tomam por esperança...
Começava naquele momento a última
quadra, e de tantas vezes lê-la e outras
tantas ouvi-la, eu já sabia de cor as suas
palavras, e as ia repetindo dentro de
mim, antecipando a última, que seria o
fim, sabendo que tudo o que é belo
precisa terminar.
O pôr-do-sol é belo porque as suas
cores são efêmeras, em poucos
minutos não mais existirão.
A sonata é bela porque sua vida é curta,
não dura mais que vinte minutos. Se a
sonata fosse uma música sem fim é certo
que o seu lugar seria entre os
instrumentos de tortura do diabo, no
inferno.
Até o beijo... Que amante
suportaria um beijo que não terminasse
nunca?
O poema também tinha de morrer para
que fosse perfeito, para que fosse belo e
para que eu tivesse saudades dele,
depois do seu fim. Tudo o que fica
perfeito pede para morrer. Depois da
morte do poema viria o silêncio, o
vazio. Nasceria então outra coisa no seu
lugar: a saudade. A saudade só
floresce na ausência.
É na saudade que nascem os deuses -
eles existem para que o amado que se
perdeu possa retornar - que a vida seja
como o disco, que pode ser tocado
quantas vezes se desejar. Os deuses -
nenhum amor tenho por eles, em si
mesmos. Eu os amo só por isso, pelo seu
poder de trazer de volta para que o
abraço se repita. Divinos não são os deuses.
Divino é o reencontro.
A voz de Vinícius já anunciava o fim.
Ele passou a falar mais baixo.
Resta esse diálogo cotidiano com a
morte, esse fascínio pelo momento a vir,
quando, emocionada, ela virá me abrir
a porta como uma velha amante...
E eu, na minha cabeça,
automaticamente me adiantei, recitando
em silêncio o último verso: ".. Sem
saber que é a minha mais nova
namorada."
Foi então que, no último momento, o
imprevisto aconteceu: a agulha pulou
para trás, talvez tenha achado o poema
tão bonito que se recusava a ser uma
cúmplice do seu fim, não aceitava a sua
morte, e ali ficou a voz morta do
Vinícius repetindo palavras sem
sentido: "sem saber que é a minha mais
nova"..."sem saber que é a minha mais
nova"... "sem saber que é a minha mais
nova..."
Levantei-me do meu lugar, fui até ao
toca-discos, e consumei o assassinato:
empurrei suavemente o braço com o
meu dedo, e ajudei a beleza a morrer,
ajudei-a a ficar perfeita. Ela me
agradeceu, disse o que precisava dizer,
sem saber que é a minha mais nova
namorada... Depois disso foi o silêncio.
Fiquei pensando se aquilo não era uma
parábola para a vida, a vida como uma
obra de arte, sonata,
poema,coreográfico. Já no primeiro
momento quando compositor, ou o poeta
ou o dançarino preparam a sua obra, o
último momento já está em gestação. É
bem possível que o último verso do
poema tenha sido o primeiro a ser
escrito por Vinícius. A vida é tecida
como as teias de aranha: começam
sempre do fim. Quando a vida começa
do fim ela é sempre bela por ser
colorida com as cores do crepúsculo.
Não, eu não acredito que a vida
biológica deva ser preservada a
qualquer preço.
"para todas as coisas há o momento
certo. Existe o tempo de nascer e o
tempo de morrer" (eclesiastes 3, 1s).
A vida não é uma coisa biológica. A
vida é uma entidade estética. Morta a
possibilidade de sentir alegria diante do
belo, morreu também a vida, tal como
Deus no-la deu - ainda que a
parafernália dos médicos continue a
emitir seus bips e a produzir
ziguezagues no vídeo.
A vida é como aquela peça. É preciso
terminar.
A morte é o último acorde que diz: está
completo. Tudo o que se completa
deseja morrer".

(by: Rubem Alves).


SÁBIAS PALAVRAS , QUE ME FIZERAM REFLETIR 
E COMPARTILHAR  COM VOCÊS .
ABRAÇO CARINHOSO E FRATERNAL ...

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER 




quarta-feira, 2 de novembro de 2011

PARA UMA BOA REFLEXÃO ...

OBSERVE A CACHOEIRA

Perderia sua canção se fossem tiradas
as pedras do seu caminho.
São os obstáculos que fazem suas águas prosseguirem. 



Nenhuma rocha, por mais resistente
que seja, é capaz de deter a água.
Ela tem sabedoria para contorná-la
e seguir em frente, com a força da suavidade... 



Nada é mais suave e
nada é mais forte do que a água,
caminha firme e lentamente, sabedora
de que tem o mesmo destino do homem:
Seguir em frente! 



Assim também é a nossa vida.
Os obstáculos existem para
nos fazer caminhar cada
vez mais firmes, mais determinados,
totalmente entregues, confiantes na existência.



Fé é Rendição.



Portanto, quando o sofrimento
bater à sua porta, não lamente
nem se inquiete, seja apenas
testemunha da dor. 



Sinta-se um privilegiado porque
é das batalhas que surge a alma.
Diante de qualquer problema que
lhe pareça sem solução, tome uma
atitude inteligente, a seu favor:
Respire... 


Quando menos uma pessoa merecer
seu amor,é quando ela mais
necessita dele. 


Perdoe, perdoe quantas vezes
forem necessárias, liberte
seu coração do ressentimento,
abra-se para novas emoções.
Seja flexível como as flores,
como as borboletas... 



Experimente todos os perfumes.
Estenda a mão, ofereça a
sua compreensão, o seu amor.
Viemos a este planeta para
aprender a amar. Apenas isso.
Então ame!Pouco ou muito,
não importa. 



Importante é amar sempre.
Só o amor realiza a mágica de se
multiplicar quando é dividido.
Nada neste mundo faz sentido
se não tocamos o coração das pessoas.



Se a gente cresce com os golpes
duros da vida, também pode crescer
com os toques suaves da alma.


(Desconheço a Autoria)


 COISAS BOAS TEM QUE SER 
COMPARTILHADAS!!!


ABRAÇO CARINHOSO E FRATERNAL 
MEUS QUERIDOS AMIGOS ...


GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER



terça-feira, 1 de novembro de 2011

PARA QUE GUARDAR RESSENTIMENTOS ???



 NÃO É POSSÍVEL PRODUZIR FRUTOS DE AMOR E ÓDIO AO MESMO 
TEMPO ...
COMO SER FELIZ TENDO O CORAÇÃO CHEIO DE MÁGOA , RANCOR E
AMARGURA ???





 " GUARDAR RESSENTIMENTOS É COMO TOMAR VENENO E ESPERAR 
QUE A OUTRA PESSOA MORRA ".
( SHAKESPEARE )









 RESSENTIMENTOS FAZEM MAL ...
MAL PARA VOCÊ MESMA , NÃO TRAZ BENEFÍCIO NENHUM ...
O MELHOR A FAZER É RETIRAR-LOS DE DENTRO DE SEU SER E , 
JOGAR FORA ...
PARA  LONGE ...
PARA BEM LONGE DE VOCÊ !!!







 

ASSIM BENEFÍCIOS VOCÊ TERÁ , A PAZ PARA COMEÇAR ...
AMOR E FELICIDADE VÃO CHEGAR ...
SÃO SENTIMENTOS QUE VÃO FICAR NO LUGAR DOS RESSENTIMENTOS 
QUE VOCÊ NÃO QUER MAIS GUARDAR !!!








 
COISAS BOAS  SE GUARDA , O QUE NÃO PRESTA SE LIVRA,
FAÇA A SUA FAXINA  ...
LIVRE-SE DO PESO DOS RESSENTIMENTOS QUE SÃO RUINS ...
GUARDE SENTIMENTOS BONS ...
VOCÊ SENTIRÁ QUE ESSES SENTIMENTOS NÃO PESAM ... 

NESTA VIDA TEMOS ESCOLHAS E , TAMBÉM SEI QUE MUITAS PESSOAS 
TEM PROBLEMAS COM RESSENTIMENTOS GUARDADOS HÁ ANOS E
NÃO DEVE SER FÁCIL  SE LIVRAR ...
MAS , NÃO CUSTA NADA TENTAR ???
PENSE NISSO ...


 


NÃO GUARDO NEM DINHEIRO , VOU GUARDAR RANCOR ???


GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER