Seguidores

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

HERÓIS REAIS EXISTEM...

Leileane, uma mulher de coragem que arriscou sua vida enquanto alguns homens a sua volta apenas se importavam em filmar ao invés de ajudar.




Leiliane vive em Pirituba, na Zona Norte de São Paulo, e tem três filhos: uma menina de 8 anos, um menino de 3 anos e um bebê de quatro meses. Prestes a passar por uma cirurgia, ela tinha sido orientada a não passar por situações de estresse.
“No momento, eu queria ajudar e não pensei em mais nada.”

Situações como esta é para nos fazer refletir, pois como está no videio, ao invés de todos estarem ajudando, fazendo alguma coisa que demonstrasse o amor ao próximo, infelizmente não é o que a gente vê,são alguns marmanjos confusos e outros com o celular na mão filmando, inacreditável. Se não fosse a valentia desta mulher, ninguém teria feito nada, e além do jornalista Ricardo Boechat e do piloto Ronaldo Quatrucci, o motorista caminhão João Adroaldo Tomanckeves também teria vindo a óbito. 
Ela relata que uma pessoa pulou do helicóptero e que também queria ajudar, mas foi impedida, pois ia haver uma nova explosão.

As imagens mostram o momento em que ela, desesperadamente tenta e consegue salvar o motorista. E fez isso sem hesitar.


Daquelas cenas, que em meio a tragédia, nos ensinam que o ser humano está acima de todas as coisas, quando ele exercita o seu papel da vida real.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

NO SOPRO DA VIDA...

Como dizem: A vida é um sopro!


A vida é um sopro, e num sopro ela se esvai...
Bem isso, somente isso!
E sempre acontece, mas achamos que não vamos ser atingidos, infelizmente.
Este começo de 2019 está tenso...
Tragédias com muitas mortes, como colocaram em uma postagem no Facebook, tragédias brasileiras que chegam na forma dos quatro elementos, por terra, água, fogo e ar...
Terra = Brumadinho
Água = Rio de Janeiro
Fogo = Ninho do Urubu
Ar = Boechat 

A vida é um instante, e num instante não estamos mais aqui...
Triste, sim muito triste, mas assim é a vida, e não tem como ser mudado.
Estamos aqui apenas numa viagem, e devemos fazer dela uma boa viagem, pois ela não vai ter replay. 

VIAGEM 
E assim é a nossa viagem...
Sabendo viver, deixando a vida seguir seu curso.
Sendo passageiros do tudo...
Sabendo ser passageiros da vida...
E não sendo meros passageiros.
Do livro: Registros...
Aleatórios.
Giovana Cristina Schneider

Pode ser clichê, mas a única certeza que temos nesta vida é que vamos morrer, e disso não temos saída.
Então...
Faça Hoje,
Fale Hoje, 
Agradeça Hoje,
Abrace Hoje,
Beije Hoje,
Faça o Melhor Hoje,
Pois, somente o hoje existe...
O amanhã pode não acontecer.


Estamos todos na fila...
A cada minuto alguém deixa esse mundo pra trás. Não sabemos quantas pessoas estão na nossa frente.
Não dá pra voltar pro “fim da fila”.
Não dá pra sair da fila.
Nem evitar essa fila.
Então, enquanto esperamos a nossa vez:
Faça valer a pena cada momento vivido aqui na Terra.
Tenha um propósito.
Motive pessoas!
Elogie mais, critique menos.
Faça um “ninguém” se sentir um alguém do seu lado.
Faça alguém sorrir.
Faça a diferença.
Faça amor.
Faça as pazes.
Faça com que as pessoas se sintam amadas.
Tenha tempo pra você.
Faça pequenos momentos serem grandes.
Faça tudo que tiver que fazer e vá além.
Viva novas experiências.
Prove novos sabores.
Não tenha arrependimentos por ter tentado além do que devia, por ter valorizado alguém mais do que deveria, por ter feito mais ou menos do que podia.
Tudo está no lugar certo.
As coisas só acontecem quando têm quem acontecer.
Releve.
Não guarde mágoas.
Guarde apenas os aprendizados.
Liberte o rancor.
Transborde o amor.
Doe amor.
Ame, mesmo quem não merece.
Ame, sem querer receber nada em troca.
Ame, pelo simples fato de vc vibrar amor e ser amor.
Mas sempre, ame a si mesmo antes de qualquer coisa.” Esteja preparado para partir a qualquer momento. Vc não sabe seu lugar na Fila, então se prepare pra deixar aqui apenas boas lembranças. Suas mãos vão embora vazias.
Não dá pra levar malas, nem bens...
Se prepare DIARIAMENTE pra levar consigo, somente aquilo que tens guardado no coração.
Comece hoje, pois o amanhã pode não existir...


Então...
#PenseNisso #FaçaUmaReflexão

Giovana Cristina Schneider

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

OS ANIMAIS TEM PERCEPÇÃO AGUÇADA

"Uma boa atitude ao ver animais correndo é correr também, porque alguma coisa não está certa..." 



Brumadinho: por que animais sentiram antes o rompimento da barragem?.
06/02/2019
Antes mesmo de notarem qualquer sinal da avalanche de lama que estava a caminho, muitos sobreviventes da tragédia em Brumadinho (MG) contaram que repararam no comportamento estranho de cachorros, galinhas ou vacas. Os animais que estavam próximos à barragem da Vale serviram como um "alerta" do que iria ocorrer.
Há uma explicação para isso: os bichos, de fato, sentem antes eventos como o rompimento que devastou a região e matou 134 pessoas (até o fechamento deste texto) porque possuem sentidos mais aguçados --num nível que os humanos não possuem.
"A barragem não rompe de uma vez só. Ela tem movimentos anteriores ao rompimento completo. Esses movimentos geralmente emitem sons ou muito baixos ou infrassom, que é uma frequência abaixo do que o ouvido humano consegue ouvir", explica Carlos Alberts, professor de zoologia e comportamento animal da Unesp (Universidade Estadual Paulista)
Muitos animais conseguem ouvir ou sentir a vibração da terra Um caso chama a atenção. O sobrevivente da tragédia Lieuzo Luiz dos Santos estava acima da barragem e aparece no vídeo que mostra o exato rompimento da terra. Em entrevista à TV Globo, ele relatou não ter ouvido nenhum som anterior ao rompimento. A única coisa que notou foram gados correndo antes que o chão se abrisse.
Segundo Alberts, os animais podem ter sentido que a barragem iria se romper por diversos sentidos - tanto pelo som, causado pelo choque de moléculas dentro da barragem enquanto os rejeitos entravam em liquefação, ou pelo tato, das patas na terra, que pode ter apresentado pequenas movimentações próximas ao local e horário do rompimento que não foram notadas pelos humanos.
Já moradores do Córrego do Feijão dizem ter visto, antes de ouvir o tsunami de lama chegando, um comportamento estranho de cachorros e galinhas. Mais uma vez a audição e o tato também podem ter ajudado os animais a reconhecer o perigo.
Não temos essa percepção dos animais. Se vivêssemos na natureza o tempo todo, poderíamos perceber algumas dessas coisas "A galinha é uma ave, pode ter notado mudança do ar. As massas de ar são deslocadas quando a barragem é rompida. Também podem notar modificações de cheiro. Elas são muito sensíveis e dependem de perceber essas coisas para sobreviver", aponta o professor da Unesp..
Sentidos ajudam Esses sentidos aguçados, inclusive, podem ter ajudado alguns animais a escaparem da tragédia. Entre os sobreviventes, há relatos de famílias que acharam seus cachorros após voltarem à região onde estavam. "Muitos animais não conseguiram sobreviver, foi muito rápido. Mas alguns, que deveriam estar no caminho da lama, provavelmente escaparam por causa disso", afirma Carlos Alberts. O zoólogo cita animais que estavam próximos a rios e riachos como alguns que podem ter notado com antecedência alguma modificação no ambiente pela vibração da água. Para o especialista, os humanos podem confiar em animais para descobrirem se algum problema no ambiente está a caminho. 
Uma boa atitude ao ver animais correndo é correr também, porque alguma coisa não está certa "Os animais não erram, eles percebem antes da gente. A gente precisa ver ou estar muito perto, ouvir um som alto. Eles podem estar à distância", diz Alberts. "Existem fenômenos como tsunamis e outros eventos catastróficos mais raros que fazem os animais se movimentarem de forma estranha." Toda essa sensibilidade dos animais vem de anos de evolução dos bichos e da seleção natural..
"Eles estão geralmente em duas condições opostas: ou são presas ou são predadores. Em ambos os casos, a sobrevivência depende de eles descobrirem uns aos outros. Essas percepções são usadas normalmente para sobrevivência, mas em condições diferentes servem para indicar algo. Climatologistas, por exemplo, sabem que moscas agem diferente antes de chuvas. Os animais também notam outros correndo à distância, um estouro de boiada, e passam a correr também", diz o professor. Animais sentem terremotos.
Um dos exemplos dessa percepção de animais está no fato deles historicamente estarem ligados à previsão de terremotos, algo que os humanos ainda engatinham para fazer. Segundo o site oficial do governo norte-americano dedicado a esses fenômenos, a primeira referência a animais se comportando de forma estranha antes de um terremoto significante vem de 373 a.C., na Grécia, envolvendo ratos, cobras, doninhas e centípedes deixando suas casas para lugares seguros dias antes da destruição. O comportamento diferente dos animais pode variar de semanas a segundos no caso de terremotos. No geral, animais conseguem notar o terremoto segundos antes por serem capazes de sentir uma onda que parte da fonte do terremoto que não é perceptível para humanos. O tema da previsão de terremotos por animais ainda é pesquisado por cientistas e envolto em mistério.

Fonte:
 https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2019/02/06/brumadinho-por-que-animais-sentiram-antes-o-rompimento-da-barragem.htm

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Para uma Boa Reflexão


PERDE-SE DOS OUTROS 
 
Quando eu era pequeno, minha mãe sempre dizia – Não se perca de mim! – e eu nunca entendi o que ela queria dizer. Pensava que ela queria evitar que eu sumisse na multidão e tivesse que ser chamado pelo microfone atrás do palco, ou ainda que eu me afastasse um pouco e fosse criado por uma família de ciganos.


Quando eu era pequeno, minha mãe sempre dizia – Não se perca de mim! – e eu nunca entendi o que ela queria dizer. Pensava que ela queria evitar que eu sumisse na multidão e tivesse que ser chamado pelo microfone atrás do palco, ou ainda que eu me afastasse um pouco e fosse criado por uma família de ciganos. Minha avó dizia algo sobre isto, sobre ser criado por uma família de ciganos e isso também me encantava internamente.

Mais velhos, nós descobrimos que quando uma pessoa se perde, pode ser assustador, mas que mais pavoroso é a sensação de duas pessoas que se perdem, não na rua, ou no shopping, mas na vida. Dói, mas faz parte do amadurecer: limpar as folhas secas, que hoje só lembram vida, para que a vida real brote em nós. Todos os grandes sábios disseram isso. Sabedoria é a elegância nata diante da dor.

E assim doeu quando percebi que nem todos que nos amam nos fazem bem. E também doeu quando percebi que o ego pode matar a amizade. E doeu ainda mais quando senti que estava perdendo, por entre os dedos, gente que já amei e para quem me dediquei com toda a vontade e fé.
E a vida vai nos desmontando, remodelando, nos completando de alguma coisa, como uma criança criando formas na areia. Já amamos pessoas que não sentem mais a nossa falta, que não nos dirigem mais a voz, que não se dizem mais nossos.
Eu ando balançando o galho. Sem essa de nos prendermos às migalhas de relações falidas ou injustas, desde o princípio. Apagar, a gente não apaga ninguém. No máximo afasta-se a imagem, a lembrança rotineira de alguém com quem já dividimos amor, amizade, vida. Crescer dói, seja aqui, aí, ou numa família de ciganos.
Por Diego Engenho Novo 
Fonte: https://www.asomadetodosafetos.com/2018/10/perder-se-dos-outros.html