Seguidores

quarta-feira, 24 de maio de 2017

POLÍTICA/BRASIL/PARTIDO/POVO


O político deveria ser EXEMPLO, afinal, ele representa a SOCIEDADE.
Infelizmente, isso não acontece...as maiores falcatruas vem deles. 
O Brasil poderia ter uma boa EDUCAÇÃO,  a melhor SAÚDE, sem estes corredores horríveis e mortes sem atendimentos que, é o que mais acontece neste país...poderia ter saneamento básico em todas as regiões isso e, muito mais, pois, dinheiro tem sim...MAS, infelizmente, temos os políticos que não pensam no bem do Brasil e, sim no bem próprio, e ai surge a corrupção que está fazendo vergonha. 
O que não entendo, como algumas pessoas idolatram políticos e também alguns partidos?
Até parece que foi feito lavagem cerebral em alguns?
Sim, falo do político, mas, também sei que o povo brasileiro tem uma grande parcela de culpa. Quando digo: O problema do Brasil? São os brasileiros...quando querem levar vantagem em tudo, estacionam em calçadas e, nem querem saber quem tem ou não dificuldades para andar, não respeitam a quem é direcionada o banco de prioridade nos ônibus ou até mesmo não levantam para dar lugar a estas pessoas, não ajudam quem precisa nas ruas, pois, estão com pressa, enfim, também só pensam no bem estar próprio. 
É Brasil, sinceramente, não sei se isso vai mudar um dia? Talvez sim, mas, não creio. Só se acabar com tudo e começar do zero. 
Pensamentos que deveriam mudar e, isso em todos os lugares...dos pequenos municípios, as grandes metrópoles e até Brasília: POLÍTICOS ESTÃO A SERVIÇO DA SOCIEDADE. PONTO. AQUI NO BRASIL ESTÁ DIFÍCIL O POVO ENTENDER ISSO. 
Você paga impostos e tem todo direito de reclamar sim e, não ficar elogiando o político quando ele faz alguma coisa, ele fez a obrigação dele, pois, está sendo pago para isso, resolver os problemas do lugar em que foi eleito. 
E pelo amor... parem de pensar assim: "ele rouba, mas, também faz..." COMO ASSIM? Ele não tem que roubar nada, ele já ganha o seu salário para o seu sustento e outras regalias. 
Uma reforma política séria, é um caso que já deveria ter sido feita, é muita gente que não faz nada, enxugar seria o ideal: menos ministros, menos senadores, menos deputados e menos vereadores. É muita gente ganhando. 

Por um Brasil melhor. Não defendo Político e muito menos Partido. Como já disse e repito: O problema do Brasil? São os brasileiros que, infelizmente, idolatram Políticos.
Entendam um coisa: Políticos estão a Serviço da Sociedade. Ponto.



"Educação, Respeito, Ética e Honestidade deixariam o mundo bem melhor." 

Já está muito cansativo isso tudo que tem acontecido no Brasil, esses políticos roubam, roubam e roubam...me parece que não sabem fazer outra coisa. Só falam em Milhões, Bilhões o Mil é troco.

BRASIL:
MÃE É CONDENADA A PENA MAIOR QUE RÉUS DA LAVA-JATO POR ROUBAR OVOS DE PÁSCOA.
Então, o caso da mulher que foi condenada por roubar ovos de páscoa e um peito de frango em 2015, ela foi condenada, mas e, esses que roubam milhões não são presos? é difícil entender essa tal justiça que o dinheiro fala mais alto.
A pena dela:
A pena determinada, de três anos, dois meses e três dias de regime fechado, supera as sentenças impostas a pelo menos sete condenados na Operação Lava-Jato.
Detida quando já estava grávida, a mulher vive com o bebê de menos de um mês em uma cela superlotada.

o Problema deste Brasil é que até a JUSTIÇA é INJUSTA.  

Giovana Cristina Schneider 

Dinamarca um exemplo de honestidade
Um país com menos estado e mais sociedade! Essa é a Dinamarca, o país menos corrupto do mundo há anos. Com uma cultura baseada na meritocracia e em responsabilidades individuais, o país tem muito a nos ensinar. 



terça-feira, 16 de maio de 2017

O Vitimismo e a Evolução Espiritual


Não se faça de vítima….
“Sou o patinho feio, ninguém cuida de mim”…….

O complexo de vítima – a mania de assumir, na vida, a postura de mártir sofredor – é uma das mais insidiosas e destrutivas patologias psicológicas. Os que caíram nas garras da autopiedade vão por aí, puxando a carroça dos seus sofrimentos quase sempre imaginários – mas não por isso menos reais – e provocando nos outros enfado e repulsa. Isso é muito triste, quando se sabe que tudo o que eles querem é exatamente o contrário: ganhar carinho e atenção.
O vitimismo é um poço de sentimentos negativos. Dele surge a tendência para culpar os outros (o pai, a mãe, os irmãos, a sociedade, a vida, o mundo, os maus fados, o destino) e fazer deles os responsáveis pelas nossas próprias mazelas. Dele surgem as couraças de autodefesa que não nos permitem relaxar e viver de modo saudável nossa relação com os outros e conosco mesmos. Dele vem a impressão sempre absurda e impossível de que não precisamos mudar. Os outros é que estão errados. Ele é a pior das cegueiras, pois destrói na pessoa a autocrítica, o discernimento e a capacidade de avaliação racional das situações.
Demônio de muitas faces, o vitimismo é mestre em matéria de distorção da realidade. Parente próximo da tristeza, quando ele possui uma pessoa coloca diante de seus olhos um filtro cinza e opaco que a impede de apreciar – e se deleitar – com as cores do mundo.
O vitimismo é doença precoce. A análise transacional – uma técnica de psicoterapia – ensina que uma criança, já nos primeiros anos de vida, e a partir do seu contato cotidiano com os adultos, decide qual das seguintes posições existenciais ela assumirá na vida:
Eu não estou ok, os outros estão.
Eu estou ok, os outros não estão.
Não estou ok, os outros também não.
Estou ok, os outros também estão.
Uma vez escolhida a posição, quando a criança cresce, ela será dominante no seu caráter, enquanto as outras, embora podendo coexistir, terão menor peso. Destaca-se que a atitude universal na primeira infância é a da “eu não estou ok, os outros estão”. Assim sendo, a pessoa poderá permanecer fixada nessa posição ou, segundo a educação recebida, passar a uma das outras três. Explicando melhor:
– “Eu não estou ok, os outros estão.” Essa pessoa se sente inferior aos outros e tenderá à depressão. Ela ainda permanece na mesma posição da sua primeira infância.
– “Eu estou ok, os outros não.” É a pessoa que culpa os outros pelas suas misérias. Essa posição costuma ser assumida pelas crianças maltratadas com brutalidade, que concluem: “Quando estou sozinho, estou muito bem. Não preciso de ninguém, deixem-me só.” Esta posição é, em geral, baseada no ódio, mesmo quando ele está bem camuflado. Desse grupo fazem parte, com freqüência, os delinqüentes, os fanáticos e os criminosos.
– “Eu não estou ok, os outros também não.” Essa pessoas não sente nenhum interesse pela vida. É abúlica e depressiva. É uma posição assumida por aqueles que não receberam suficiente calor e atenção nos primeiros anos e escolhe os amigos, o cônjuge, esperando que ele seja propenso a desempenhar o papel complementar.
NÃO SOMOS LIVRES como acreditamos ser. Quando se entende isso, fica evidente que a maior parte dos nossos atos e pensamentos não é tão livre de condicionamentos como gostamos de acreditar. Nossa certeza de sermos livres, de fazermos tudo aquilo que queremos, e quando queremos, é quase sempre uma ilusão. Quase todos, na verdade, carregamos dentro condicionamentos mais ou menos ocultos que, com freqüência, tornam difícil a manifestação de uma honestidade genuína, uma criatividade livre, uma intimidade simples e pura.
Posição existencial é, portanto, um papel que o indivíduo tenderá a representar ao longo da sua vida. É preciso sublinhar o fato de que todas as posições existenciais necessitam de pelo menos duas pessoas, cujos papéis combinem entre si. O algoz, por exemplo, não pode continuar a sê-lo sem ao menos uma vítima. A vítima procurará seu salvador e este último uma vítima para salvar.
O condicionamento para o desempenho de um dos papéis é bastante sorrateiro e trabalha de forma invisível. Esta é uma das causas principais da falência de algumas amizades ou casamentos, quando as pessoas interessadas não se ligaram a partir de uma simpatia genuína, mas sim com o objetivo de encontrar na outra pessoa um sujeito adequado para desempenhar algum papel complementar.
Se pararmos alguns instantes para considerar os casais que conhecemos, não será difícil encontrar entre eles a “menina” que casou com o “pai” (relação vítima-salvador) ou a mulher que se queixa continuamente do marido, mas nem sequer admite a ideia do divórcio (relação vítima- algoz).
Observemos, então, como vivemos e como a nossa presença influencia a vida daqueles que nos cercam. Somos sadios? Serenos? As pessoas ao nosso redor apreciam a nossa presença? Nosso cônjuge nos admira? Ele fala bem de nós? Nossos filhos nos consideram como amigos? Quantos amigos temos? Em quantas portas podemos bater no caso de uma situação grave?
SE NÃO FORMOS serenos e não tivermos amigos, tentemos considerar que, provavelmente, a nossa posição existencial e o papel que desempenhamos não são os melhores possíveis. Com efeito, se o fossem, teríamos serenidade, melhor saúde.
Fonte: Equipe da Revista Planeta.
https://omundodegaya.wordpress.com/2017/05/13/o-vitimismo-e-a-evolucao-espiritual/ 

sábado, 13 de maio de 2017

COMO SURGIU O DIA DAS MÃES?…


Nos Estados Unidos, as primeiras sugestões por uma data para a celebração das mães foram dadas em 1872, pela escritora Júlia Ward Howe, que chegou a organizar na cidade de Boston, um encontro de mães dedicado à paz.
A brilhante ideia de consagrar um dia para homenagear as mamães, partiu de Anna Marie Reeves Jarvis, filha de um Pastor Evangélico, em Grafton quando sua mãe organizou trabalhos de campo, feitos pelas mães, na Virginia do Oeste, para melhoria das condições da saúde pública e sanitária naquela região, antes da guerra civil. Durante a guerra, ela se declarou membro dessa organização neutra que socorria no front os soldados necessitados de ambos os lados.
Por isso a mãe de Anna Jarvis sonhou com um dia especial para homenagear as mães. Então pediu à sua filha que prometesse lutar para realizar esse grande sonho de sua mãe.
Em maio de 1905, sua mãe faleceu, e, dois anos depois, no segundo domingo de maio de 1907 (há mais de 100 anos), Anna Jarvis e suas amigas fizeram uma comemoração festiva em memória dela.
No ano seguinte, a pedido de Anna Jarvis, foi celebrado na Igreja Metodista de Andrews, em Grafton, Virginia do Oeste, Igreja de sua mãe, um Culto festivo em homenagem às mães e, naquele instante, realizou-se a primeira comemoração publica do Dia das Mães, no domingo 10 de maio de 1908. Nesse dia Anna doou para a igreja 500 cravos brancos, símbolo da maternidade, para serem distribuídos a todos os presentes, sendo que as mulheres que fossem mães receberiam dois. Para Anna a brancura dos cravos simbolizava pureza, fidelidade, amor, caridade e beleza. Durante os anos subsequentes Anna Jarvis enviou mais de 10 000 cravos para a Igreja.
Ela quis que essa festa fosse estendida para todas as mães do mundo e que nesse dia as crianças homenageassem suas mães. A ideia era fortalecer os laços familiares e o respeito pelos pais.
Em 26 de abril de 1910, quando o Governador da Virgínia do Oeste, Willian E. Glasscock, incorporou o Dia das Mães ao calendário de datas comemorativas daquele estado, deu-se a primeira celebração oficial. Em 1911, outros estados norte-americanos aderiram à comemoração.
Finalmente, em 09 de maio de 1914, por sugestão da própria Anna Jarvis, o então Presidente dos Estados unidos, Woodrow Wilson (1913-1921), unificou a celebração em todos os estados, estabelecendo que o Dia Nacional das Mães deveria ser comemorado sempre no segundo domingo de maio. Em breve tempo, mais de 40 países adotaram a data. Em seguida, o costume se propagou pelo mundo inteiro.
No Brasil, a introdução do Dia das mães foi feita pelo Secretário da Associação Cristã de Moços de Porto Alegre, o evangélico Frank Long, no dia 12 de maio de 1918. E, em 1932, o Presidente Getúlio Vargas, promulgou o Decreto nº 21.266/32, designando o segundo domingo de maio como feriado nacional, por ser o Dia das Mães.
Anna Jarvis morreu em 1948, aos 84 anos. Nunca chegou a ser mãe, mas, durante a sua longa vida, todos os anos recebia, de várias  partes do mundo, cartões comemorativos do Dia das Mães.
No Livro de Êxodo 20:12, está escrito o único dos dez mandamentos que possui duas promessas de bênçãos do Deus da Bíblia, o Senhor da História, Aquele que vela pela Sua Palavra para cumpri-La(Jer 1:12): “Honra teu pai e tua mãe para que te vá bem(1º), e para que se prologuem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá (2º).
Honrar pai e mãe significa: Amá-los, cuidar deles, visitá-los com frequência, ajudá-los nas suas necessidades, levar os netos e bisnetos para estar com eles sempre e, jamais desprezá-los ou abandoná-los longe de si, longe de seus cuidados pessoais, como por exemplo, interná-los num abrigo de velhos ou lar de idosos, como se fora um veículo acidentado, em perda total, numa oficina de desmanche ou depósito.
Honre, ame e valorize sua mãe!
Fonte: http://www.ibca.org.br/como-surgiu-o-dia-das-maes/

quarta-feira, 10 de maio de 2017

UMA MENSAGEM PARA MAMÃE.

Escrevi para mamãe, no Dia da Mães que caiu em 10 de maio de 2015.
Hoje quis compartilhar aqui no blog, como estamos na semana das mães...
Mãe 

O que falar da senhora? pois, por mais que verbalizar aqui, não chegarei a citar todos os seus predicados. A senhora, que muitos momentos difíceis passou nesta vida, mas que firme continuou, primeiro não conheceu a própria mãe, que morreu dias depois que deu a luz...hoje logo cedo, conversando comigo na varanda, lembrou disso. Perdeu o filho cruelmente, depois foi o marido, mesmo com tanto sofrimento continuou. Hoje em dia, tem a saúde debilitada, toma duas insulinas pela manhã, outra antes do almoço e do jantar...da senhora estamos cuidando, pois agora a senhora é responsabilidade nossa, que cuidou, mas agora precisa de cuidados. Tentamos fazer o melhor, os papeis se reverteram...quase toda manhã quando faço suas insulinas, coloco uma fruta para a senhora comer, vou preparando o seu café...a carinha que faz, tipo, não estou afim de comer, é engraçado, faz cara de criança birrenta rsrsrsrs mas, falo, tem que comer sim, pois é para o seu bem, tá. Mas, o que não pode comer, sempre pede...agora chegou a vez de ser cuidada e mimada por nós. Às vezes a senhora recorre a uma chantagenzinha emocional comigo, quando quero sair de casa, tenho que ser firme (me sinto mãe de minha mãe), muitas vezes também fica triste de repente, assim é o ciclo desta vida. Mãe, sei que temos nossas falhas, às vezes um pouco sem Paciência. Já estou craque em ouvir pela milésima vez a mesma história que a senhora conta como se acabasse de tê-la vivido.
Façamos hoje o melhor, o máximo que pudermos, para que amanhã quando já não estiver mais aqui conosco possamos lembrar-nos dela com carinho, de seus sorrisos de alegria e não das lágrimas de tristeza que tenha derramado por nossa causa. Afinal, Mãe a senhora sempre será nossa Rainha, eternamente… "


Sou uma gota d'água
Sou um grão de areia
Você me diz que seus pais não lhe entendem
Mas você não entende seus pais
Você culpa seus pais por tudo
E isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser
Quando você crescer?

Giovana Cristina Schneider

quarta-feira, 3 de maio de 2017

UMA CERTA HISTÓRIA...



Certa vez, perguntei para o Ramesh, um de meus mestres na Índia:
"Por que existem pessoas que saem facilmente dos problemas mais complicados, enquanto outras sofrem por problemas muito pequenos morrem afogados num copo d'água"?
Ele simplesmente sorriu e me contou uma história.
"Era um sujeito que viveu amorosamente toda a sua vida. Quando morreu, todo mundo lhe falou para ir ao céu, um homem tão bondoso quanto ele somente poderia ir para o paraíso. Ir par ao céu não era tão importante para aquele homem, mas assim mesmo ele foi até lá".
Naquela época, o céu não havia ainda passado por um programa de qualidade total. A recepção não funcionava muito bem, a moça que o recebeu deu uma olhada rápida nas fichas em cima do balcão e, como não viu o nome dele na lista, lhe orientou para ir ao inferno.
E, no inferno, ninguém exige crachá nem convite; qualquer um que chega é convidado a entrar. O sujeito entrou e foi ficando...
Alguns dias depois, Lúcifer chega furioso às portas do paraíso para tomar satisfações com São Pedro:
*Isso que você está fazendo é puro terrorismo!!*
Sem saber o motivo de tanta raiva, Pedro pergunta do que se trata. Um transtornado Lúcifer reponde:
*Você mandou aquele sujeito para o inferno e ele está me desmoralizando!
Chegou escutando as pessoas, olhando-as nos olhos, conversando com elas.
Agora está todo mundo dialogando, abraçando-se, beijando-se. O inferno não é lugar para isso! Por favor, traga esse sujeito para cá!*
Quando Ramesh terminou de contar esta história, olhou-me carinhosamente e disse:
"Viva com tanto amor no coração que se, por engano, você for parar no inferno, o próprio demônio lhe trará de volta ao paraíso."
"Se eu pudesse deixar algum presente a você, deixaria aceso ao sentimento de amar a vida dos seres humanos.
A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo afora...
Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem.
A capacidade de escolher novos rumos.
Deixaria para você, se pudesse, o respeito aquilo que e indispensável:
Além do pão, o trabalho.
Alem do trabalho, a ação.
E, quando tudo mais faltasse, um segredo:
O de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída."

Mahatma Gandhi

Abraço carinhoso e fraternal...
Giovana Cristina Schneider