Seguidores

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

CENTENÁRIO DE MARIO LAGO

"Eu não sou saudosista. Não fico lamentando: ’ah, o meu tempo’. Meu tempo é hoje. Não fico na calçada vendo o desfile passar. Eu vou junto".

 Mário Lago (Rio de Janeiro, 26 de novembro de 1911 — Rio de Janeiro, 30 de maio de 2002) foi um compositor, letrista e ator brasileiro.

Autor de sambas populares como "Ai, que saudades da Amélia" e "Atire a primeira pedra", ambos em parceria com Ataufo Alves, fez-se popular entre as décadas de 40 e 50, ajudando a tornar o samba a mais representativa música brasileira.





 Ator de teatro, no gênero comédia, poeta, radialista, advogado, por longo período militante do Partido Comunista. Mário Lago é um ícone da cultura brasileira. Imortalizou-se com suas canções populares e marchinhas feitas para o carnaval.

Mário Lago era filho de um maestro, Antônio Lago, e encontrou nas letras o seu refúgio intelectual.

 Começou pela poesia, e teve seu primeiro poema publicado aos 15 anos. Formou-se em Ciências 
Jurídicas e Sociais na década de 30, na então Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro, 
atual Faculdade de Direito da UFRJ, onde iniciou sua militância política no Centro Acadêmico Cândido de Oliveira, então fortemente influenciado pelo Partido Comunista Brasileiro. Durante a década de 1930, a então principal Faculdade de Direito da capital da República era um celeiro de arte aliada à política, onde estudavam Lago e seus comteporâneos Carlos Lacerda, Jorge Amado, Lamartine Babo entre outros.
 Depois de formado, já como advogado, envolveu-se com o teatro de revista, escrevendo, compondo e atuando. Sua estréia como letrista de música popular foi com "Menina, eu sei de uma coisa", parceria com Custódio Mesquita, gravada em 1935 por Mário Reis. Três anos depois, Orlando Silva realizou a famosa gravação de "Nada além", da mesma dupla de autores.
 Suas composições mais famosas são "Ai que saudades da Amélia", "Atire a primeira pedra", ambas em parceria com Ataulfo Alves; "É tão gostoso, seu moço", com Chocolate, "Número um", com Benedito Lacerda, o samba "Fracasso" e a marcha carnavalesca "Aurora", em parceria com Roberto Roberti, que ficou consagrada na interpretação de Carmen Miranda.

Em "Amélia", a descrição daquela mulher idealizada, ficou tão popular que "Amélia" tornou-se sinônimo de mulher submissa, resignada e dedicada aos trabalhos domésticos.


Na Rádio Nacional, Lago foi ator e roteirista, escrevendo a radionovela "Presídio de Mulheres". Mas o grande público só ficou o conhecendo pela televisão, quando passou a atuar em novelas da Rede Globo como "O Casarão", "Nina", "Brilhante", "Elas por Elas" e "Barriga de Aluguel", entre outras. Também atuou em peças de teatro e filmes, como "Terra em Transe", de Glauber Rocha.


Autor dos livros "Na Rolança do Tempo" (1976), "Bagaço de Beira-Estrada" (1977) e "Meia Porção de Sarapatel" (1986), foi biografado em 1998 por Mônica Velloso na obra: "Mário Lago: boêmia e política". A escola de samba Acadêmicos de Santa Cruz homenageou Lago em 2000.


Em dezembro de 2001, ganhou uma homenagem especial por sua carreira durante a entrega do Troféu Domingão do Faustão. No ano seguinte, essa homenagem pela carreira ganharia o nome de Troféu Mário Lago, se tornando anual e sendo entregue à grandes nomes da teledramaturgia.


Em janeiro de 2002, o presidente da Câmara, Aécio Neves, foi à sua residência no Rio para lhe entregar, solenemente, a Ordem do Mérito Parlamentar. Na sua última entrevista ao Jornal do Brasil, Mário revelou que estava escrevendo sua própria biografia. Estava certo de que chegaria aos 100 anos, dizia Mário, "Fiz um acordo com o tempo. Nem ele me persegue, nem eu fujo dele".


Morreu no dia 30 de maio de 2002, aos noventa anos de idade, em sua casa, na Zona Sul do Rio de Janeiro, de enfisema pulmonar.

 



É UM ENORME PRAZER SABER UM POUCO DA TRAJETÓRIA DE 
PESSOAS QUE FIZERAM A DIFERENÇA ...


GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER 

 

2 comentários:

Cida disse...

Grande Mário Lago!

Realmente, foi uma pessoa que fez a diferença!

Me lembro muito dele na televisão.
Era um artista bem simpático.

Beijão pra você, Giovana.

Fique com Deus.

Cid@

Cadinho RoCo disse...

Publicação importante sobretudo por preservar a memória de um artista da envergadura de Mário Lago.
Cadinho RoCo