Seguidores

sábado, 22 de junho de 2013

REVOLUÇÃO ... Talvez.



revolução (do Latim revolutìo,ónis: ato de revolver), segundo o Dicionário Houaiss é datada do século XV e designa "grande transformação, mudança sensível de qualquer natureza, seja de modo progressivo, contínuo, seja de maneira repentina"; "movimento de revolta contra um poder estabelecido, e que visa promover mudanças profundas nas instituições políticas, econômicas, culturais e morais"

( Mais de 100 mil nas rus de Vitória/ES.)

Então ...
Em primeiro lugar, é bom saber que, quando usamos o termo "revolução", estamos nos referindo a um acontecimento que gerou mudanças econômicas, políticas e sociais; as mudanças têm que ocorrer em todos esses setores, ou seja, se ocorrer só na economia e na política, por exemplo, não podemos empregar a palavra "revolução" em seu real significado.

(Manifestação em Brasilia)


Aristóteles descreveu dois tipos de revolução política:
  1. Completa mudança de uma constituição para outra
  2. Modificação de uma constituição existente.
As revoluções tem ocorrido durante a História da Humanidade e variam muito em termos de métodos, duração e motivação ideológica. Podem dar-se por formas pacíficas ou violentas. Seus resultados incluem grandes mudanças na cultura, economia, e drástica mudança das instituições e ideários sócio-políticos.
Debates acadêmicos sobre o que constitui e não constitui um foco de revolução são feitas em torno de várias questões.
Os primeiros estudos das revoluções principalmente analisados eventos na história da Europa de uma perspectiva psicológica, mas exames mais modernos incluem eventos globais e incorporar as perspectivas de várias ciências sociais, incluindo sociologia e ciência política.
Várias gerações de pensamento acadêmico sobre as revoluções têm gerado muitas teorias concorrentes e contribuiu muito para a atual compreensão desse fenômeno complexo.

Tem havido no mundo várias grandes revoluções, por meio das quais o curso da história foi radicalmente alterado. As seguintes são as principais:

A antiga revolução islâmica – Durante os dez anos entre 622 e 632 AD, os exércitos de Mohamed levaram a cabo uma revolução sangrenta contra os árabes politeístas, estabelecendo a fé islâmica na Península Arábica por meios violentos. Depois da morte de Mohamed, os seus sucessores continuaram as suas conquistas e, por volta de 650 AD, a revolução islâmica tinha submetido o Egito, grande parte do Norte de África, Israel, a Síria, e a Pérsia à nova fé. Os árabes islamitas do Norte de África conquistaram a Espanha em 711 AD, e governaram este país até 1492.

A revolução islâmica medieval – A revolução islâmica continuou muitos séculos a partir de um número de frentes diversas. Durante este tempo, grandes partes da Índia e da Indonésia caíram sob o domínio do Corão, assim como a Turquia, onde se estabeleceu o poderoso  Império Otomano. A marcha do Islão para Ocidente, pelos exércitos do Império Otomano, foi apenas travada em Viena, na Europa Central, em 1683.

A revolução francesa – Entre 1789 e 1799, os camponeses franceses levaram a cabo com êxito uma revolução contra a monarquia absoluta, o feudalismo e a pobreza. Também coincidiu com grandes convicções anti-cristãs, criando assim os fundamentos do socialismo e do humanismo secular.

A revolução nazista – A promoção da ideia de uma super-raça alemã fortemente anti-judaica e anti-cristã, constituiu a fundação do partido nazista de Hitler. Em 1933 obteve o controle do governo, e alguns anos mais tarde esta ideologia revolucionária era a fôrça impulsionadora por traz dos planos de Hitler para submeter o mundo inteiro à sua autoridade  na Segunda Guerra Mundial. A Alemanha nazista caiu em 1945, mas não antes da morte de 52 milhões de pessoas na guerra, incluindo 6 milhões de judeus exterminados das maneiras mais horrorosas.

A revolução comunista – Uma revolução bem sucedida em 1917, levou à queda do trono do Czar, e ao domínio da União Soviética pelos comunistas em 1918. Vários outros países e governos também sucumbiram à  violência e intimidação das revoluções comunistas, incluindo a China, que continua a ter uma ditadura comunista. Muitos dos países do Terceiro Mundo tiveram a experiência de lutas revolucionárias de libertação tipo marxista.


A atual revolução islâmica – A vasta riqueza em petróleo de muitos estados árabes, assim como de nações islâmicas, como o Irão,tem dado origem durante as últimas décadas a um grande ressurgimento da revolução islâmica, que tem por fim sujeitar o mundo inteiro à autoridade de Allah. O estabelecimento em 1948 do moderno estado de Israel, foi um catalizador para a presente grande revolução ou Jihad. Por meio da propaganda islamista e da imigração forçada dos estados árabes vizinhos, foi formado artificialmente um povo palestino para opôr a Israel e para tentar expulsar os judeus da sua terra. O próprio Yasser Arafat imigrou do Egito e incorporou muitos jordanianos no seu “povo palestino”.Todos os países árabes apoiaram os palestinos na luta contra Israel, mas foram derrotados e humilhados nas guerras que travaram contra Israel em 1948, 1956, 1967, 1973 e 1982. Isto conduziu a uma campanha cada vez maior de ódio contra Israel, e também contra os Estados Unidos e Grã Bretanha, por apoiarem Israel. O que começou como uma luta local entre Israel e seus vizinhos, transformou-se numa luta global entre o Islão e todos os não-islamitas. 


Se esta revolta que assola o Brasil nos últimos dias, 
vai virar uma revolução ??
Não sei ...
Mas, de uma coisa sei , que a população esta saturada.
É muito descaso dos políticos com tudo ...
É muita roubalheira ...
Enfim, é muita coisa ruim junto.
Muitos falam que se deveria ter um FOCO ...
São muitos FOCOS para serem FOCALIZADOS ... 
Então, fica difícil, ai virou realmente uma 
FOCALIZAÇÃO.
Ah, FOCALIZAÇÃO rimou com REVOLUÇÃO.
E, acredito que se não acontecer agora, e se nada for mudado,
o Brasil caminha para uma real REVOLUÇÃO, que já 
tem nome: REVOLUÇÃO DOS 20 CENTAVOS.


No mês de maio tivemos dois linchamentos aqui 
no estado do Espírito Santo ...
na época pensei:
"Acredito, que isso não vai parar por ai, pois a 
população está cansada e desnorteada, 
começou a fazer justiça com as próprias mãos."
E, infelizmente é assim que começa ...
Quando a população fica desnorteada.


A bandeira do Brasil normalmente não é vista como um símbolo de patriotismo entre os brasileiros, e sim como uma mera bandeira, como se fosse algo inútil. Mas de uns tempos pra cá, os brasileiros estão mudando este conceito pela bandeira, agora eles estão vendo que a bandeira é sim um símbolo de patriotismo brasileiro.

A bandeira levantada na manifestação e a do 
BRASIL.

Bom, o movimento é dos brasileiros e, não dos 
partidos políticos.
Já deveria começar por ai, uma forma para que 
o voto se torne FACULTATIVO.
ENTÃO,
EU APOIO ESSA IDEIA.

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

Nenhum comentário: