Seguidores

terça-feira, 23 de julho de 2013

O ESTADO DO VATICANO.


Muitos católicos sonham  em conhecer o Vaticano, a sede da igreja católica, o lugar onde vive o Santíssimo Padre. O que muitos desses católicos não sabem é como se dá a criação do Estado do Vaticano e como funcionam suas leis como um país independente pertencente à igreja e governado pelo Papa.
O Vaticano está localizado dentro da Itália, mais precisamente em Roma. Um dos menores países do mundo, com apenas 0,44 km², tem um governo diferenciado de todos os outros. Tem suas próprias leis, moeda, serviços públicos, porém seu regime é incomum. Governado pelo Papa, o país é uma espécie de monarquia por eleição, e não hereditária, já que o Santo Padre é eleito pelo colégio de Cardeais.
Pertencem ao Papa os poderes executivo, legislativo e judiciário. O Estado é o menor do mundo também em número de população, com pouco mais de 800 habitantes, incluindo os membros da Santa Sé e poucos cidadãos comuns.

São de direito do Estado do Vaticano alguns monumentos espalhados pela cidade de Roma, fora do território do Estado, mas governados pelo Papa, como Castel Gandolfo (a residência de Verão do Papa) e as Basílicas maiores de Santa Maria Maior, de São João de Latrão e de São Paulo Extramuros. 




A língua oficial do país é o latim, embora seja mais utilizada em documentos oficiais, sendo falado mesmo no dia-a-dia o idioma italiano. A economia do país é formada por donativos do mundo inteiro, enviados por toda a igreja e por voluntários, além de suas receitas turísticas.
O país é um exemplo da força da religião católica no mundo e do reconhecimento de Deus e dos homens ao Santo Padre e ao catolicismo. Veja como foi esse reconhecimento ao longo da história.


A Criação do Estado do Vaticano

Desde o primeiro Papa da história a residência papal ficava em Roma, cidade onde morreu São Pedro, fundador da igreja católica. No ano de 756 o imperador Pepino deu ao Santo Padre um território no centro de Roma, o que hoje é o Vaticano. Na época, o território que era pertencente ao Império Romano já havia se tornado a sede da igreja católica.

A área era ainda desabitada e tinha o nome de Ager Vaticanus. No local ficava um circo construído pelo imperador Calígula no ano 40 e terminada por Nero, sendo chamado de Circo de Nero.
Após o incêndio de Roma o local se tornou de martírio para muitos cristãos. Teria sido nesse circo que São Pedro foi morto e posteriormente enterrado em um cemitério em frente. No local do tumulo foi construída, em 326, a primeira igreja, a Basílica de Constantino.  Por volta do ano 500 foi erguido um palácio próximo à basílica.
A sede permaneceu assim até 1870, quando iniciou o episódio que ficou conhecido como Questão Romana, com a entrada do rei Vítor Emanuel II para incorporar Roma ao território do Reino de Itália.
Em 1871, Vítor Emanuel II ofereceu como compensação ao então Papa Pio IX uma indenização e 
o compromisso de mantê-lo como chefe do Estado do Vaticano, um bairro de Roma onde ficava a sede da Igreja. O Papa recusou o acordo e se declarou prisioneiro do poder laico, enclausurando-se nos muros do Vaticano.

Apenas em 1929 se deu a criação definitiva do Estado do Vaticano, durante a ditadura de Benito Mussolini. O ditador fez a mesma proposta de Emanuel II ao então Papa Pio XI, que aceitou a independência do Estado e o total poder sobre o novo país. Em 11 de fevereiro deste ano o Tratado de Latrão foi assinado por Mussolini e pelo cardeal Pietro Gasparri, secretário de Estado da Santa Sé.


O Tratado formalizou a existência do Vaticano como Estado soberano, neutro e inviolável, sob a autoridade do Papa, e os privilégios de extraterritorialidade dos outros monumentos espalhados por Roma. A Santa Sé renunciou aos territórios que havia possuído desde a Idade Média e reconheceu Roma como capital da Itália. Mussolini também deu ao Vaticano uma indenização financeira pelo território durante a unificação.


O Vaticano hoje

O Vaticano possui entre suas construções algumas principais. A Basílica de São Pedro, construída em cima do tumulo do apóstolo, iniciada em 1506 e terminada em seu formato atual em 1626, com espaço para abrigar 60 mil peregrinos, é onde o Papa realiza a maioria de suas celebrações. Em frente à Basílica fica a Praça de São Pedro, desenhada no século XVII, com um obelisco central egípcio de 40 metros de altura. Está no lugar atual desde 1585 com um dos pedaços originais da cruz de Jesus Cristo. 

O Estado é urbano e não tem a exploração de recursos naturais. Metade do território é reservado ao espaço aberto, incluindo os Jardins do Vaticano. A infraestrutura do país conta com linhas ferroviárias, heliporto, correios, estação de rádio, quartéis militares, palácios e gabinetes governamentais, instituições de ensino superior, cultural e de arte, e algumas Embaixadas.
Em fevereiro de 2001 o Papa João Paulo II promulgou uma nova constituição, modificando algumas leis que já não eram usadas ao longo dos anos desde o tratado de 1929 e assegurando outras, fazendo alterações para a melhoria e adequação da vida no país.
Fonte:CAMINHOS SAGRADOS TURISMO



Em apenas quatro meses de pontificado, o Papa Francisco já promoveu mudanças no Istituto per Opere di Religione (IOR), mais conhecido como o Banco do Vaticano, que apontam para uma maior transparência da instituição. Mas a tarefa do Sumo Sacerdote
 de moralizar a instituição está longe de ser o Paraíso na Terra.

Uma das primeiras medidas do pontífice foi nomear, em meados de junho, um novo prelado para supervisionar as atividades do Banco do Vaticano – o monsenhor Battista Mario Salvatore Ricca. Trata-se de um cargo que estava vago desde 2011.
Entre suas funções, está a de reportar as atividades do banco a uma comissão de cinco cardeais. Para isso, Ricca terá acesso a todas as informações da instituição, um feito e tanto, quando se considera que o Banco do Vaticano é considerado uma verdadeira “caixa-preta” da Igreja Católica.


  Transparência

Outra decisão do Papa Francisco foi nomear, em meados de junho, uma comissão de 
cinco membros para investigar as atividades do banco e reportá-las diretamente a ele, acrescentando sugestões de reforma.


O SABER NUNCA É DEMAIS, ENTÃO UM ( PEQUENO RESUMO ) DO QUE É O ESTADO DO VATICANO.

"Apesar das aparentes diferenças, estamos unidos na FÉ em DEUS e no AMOR ao próximo. Que o respeito entre os homens se mostre possível ... Não importa a sua CRENÇA, o que importa é o nosso respeito SEMPRE."

GIOVANA CRISTINA SCHNEIDER

Nenhum comentário: