Seguidores

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Educação vem de Berço...

verdade ou mentira?

Você já deve ter ouvido esta frase: “a educação vem de berço”. Ela faz sentido para você? Gostaria de propor uma reflexão hoje sobre este tema. Quanto você acha que a educação tem influência no meio em que convivemos? Será que expressar-se educadamente, usando “por favor, “com licença”, “obrigado”, altera o ambiente em que você convive e as pessoas ao seu redor?


Existe um questionamento corrente em sociologia, e também na psicologia do comportamento: o meio em que vivemos nos influencia ou nós é que influenciamos o meio? Vamos começar a refletir por aqui.

Uma parábola moderna

Pesquisadores de uma grande universidade resolveram estudar o que moldava o comportamento humano. Escolheram entrevistar pessoas para esta pesquisa, e tabular as respostas.
Um dos entrevistados estava preso por tráfico de drogas, assalto a mão armada e outros delitos. Perguntaram a este homem se ele poderia lhes contar qual seria o motivo dele ter tomado aquele caminho de vida. Este homem respondeu:
“- venho de uma família muito pobre. Morávamos em vários irmãos dentro de um barraco. Meu pai perdeu o emprego dele e começou a beber. Depois, batia na minha mãe e na gente. Eu fui ficando revoltado, né senhor? Eu tinha direito de ter o que os bacanas tinham. Aí comecei a traficar, para ganhar uma grana. Vendia pros burguesinho mesmo. Quando vi, já ‘tava no tráfico e roubando.”
O próximo entrevistado era um jovem executivo de sucesso, que havia criado uma startup há alguns anos. Novamente os pesquisadores perguntaram a este homem se ele poderia lhes contar qual seria o motivo dele ter tomado aquele caminho na vida. O jovem executivo respondeu:
“- minha família era muito pobre. Morávamos num pequeno barraco, eu e meus irmãos. Meu pai ficou desempregado, e tornou-se alcoólatra, desintegrando com nossa família. Ele nos batia. Mamãe saiu de casa com meus irmãos menores. Fiquei com meu outro irmão junto com meu pai. Quando estava naquela situação, percebi que eu tinha que mudar o meu destino, para poder ajudar meu pai, meus irmãos e minha mãe. Estudei muito. Passei numa boa universidade, e logo me destaquei com minhas ideias e projetos. Acho que este meu início de vida foi o responsável por tudo o que sou hoje.”
Os dois entrevistados eram irmãos.

A influência do meio na educação

Aprendemos que somos frutos do meio em que vivemos. O meio influencia quem somos, como nos portamos, como lidamos com as situações. Será que isto é uma verdade absoluta?
Vejamos o caso de um amigo meu, empresário de sucesso, tanto no mundo on-line quanto fora dele. Sandro San nasceu numa comunidade do Rio de Janeiro. Viu um amigo morrer a poucos metros dele. Ele poderia ser o que quisesse naquele meio em que nasceu: bandido, passador de droga, até mesmo morrer antes dos 15 anos com uma bala na cabeça.
O meio influenciou Sandro? Sim. Ao ver seu amiguinho de brincadeiras estirado no chão, ele prometeu a si mesmo dar um futuro diferente daquele, para ele mesmo e sua família.
Nosso meio acaba influenciando no que nós somos. Mas acredito que é o nosso meio interno, a os princípios que levamos conosco, ou seja, a nossa educação, que definem o nosso rumo. O lugar de onde viemos não é um fator decisivo e nem definidor. Você pode ir além das coisas que aprendeu, e você pode fazer escolhas, discernir o que quer ou não para sua vida.

Como você influencia o seu meio

Independente da educação que recebeu, ou do meio em que nasceu, você tem um papel a cumprir. Acredito que todos precisamos buscar a melhor versão de nós mesmos, sempre aprendendo e crescendo, até o último dia de nossas vidas. Mais  importante ainda:  devemos ter consciência de que somos exemplos para as pessoas ao nosso redor.
Este é o trabalho que teremos por toda a nossa vida, quer queiramos ou não: servirmos como agentes de educação do meio em que convivemos, seja no trabalho, na escola, em casa, no meio religioso. Não importa.
 Quando você alcança esta consciência, o meio pouco irá te influenciar. “Nossa, o país está em crise!” Não importa, continuarei trabalhando. “O governo é um ladrão.” Mas eu continuo sendo honesto. “meus amigos são inteligentes e passam o dia hackeando contas no face.” Mas eu sou igualmente inteligente e usarei esta capacidade para algo bem melhor.

Usar da sua educação também é questão de escolha

Veja o exemplo de uma aluna minha: ela trabalhava numa clínica e pegava elevador diariamente ao lado de uma senhora. Esta aluna sempre a saudava com um “bom dia”, mas não obtinha resposta. Temendo não ter sido ouvida, saudou “bom dia” no outro dia; mesmo assim não obteve resposta. No terceiro dia, imaginando que a mulher tivesse problema de audição, disse “bom dia” alto. Mas  não obteve resposta novamente! Você acha que parou de cumprimentá-la? Não! Cumprimenta diariamente, há dois anos.
Os participantes do nosso grupo ficaram surpresos. Era incrível como ela insiste em saudar a senhora que a ignora diariamente. Mas esta aluna explicou aos colegas: “estou insistindo há dois anos e vou insistir pelo resto da minha vida. Porque eu jamais vou deixar a falta da educação alheia influenciar na minha educação”.
Vi que ela tinha razão: a falta de educação daquela mulher poderia influenciar na educação da minha aluna. Mas somente se ela permitisse isto. o meio aonde ela vive não estimula a conduta educada dela. Mas o seu meio interno não se deixa abalar. Ela continua firme fazendo o que acredita.

A educação vem do berço?

Quando se diz que a educação vem do berço, estamos falando sob uma ótica engessada, que diz que o meio nos influencia totalmente, e nada pode ser alterado a partir daí. Obviamente se uma pessoa nasce num meio aonde as condições facilitam sua vida e quem a educa passa bons princípios desde a mais tenra idade, as chances dela se dar bem são maiores. Mas isto não é uma verdade absoluta. Conheço muita gente que veio de vida confortável, fez universidade, adquiriu muitos títulos, mas é totalmente desmotivado para crescer, ou está até desempregado e depressivo.
Portanto, a educação pode vir de berço, ou pode não vir. O que importa mesmo é sua postura diante da vida. Se você está disposto a usar sua educação seja lá aonde estiver – em casa, trabalho, repartição pública ou fila do ônibus – não há nada que te impeça. Se você está consciente de seu papel como educador daqueles que te rodeiam, usar a sua educação é mais do que uma cortesia: é uma ferramenta para a sensibilização das pessoas.

Ser educado cabe no mundo de hoje?

Eu sei que muitas vezes é desestimulante. Ao sairmos porta afora de nossas casas topamos com pessoas agressivas gratuitamente, que nos xingam no trânsito, furam fila ou tentam se aproveitar de situações. Cada vez que se deparar com esta situação, não se irrite. Não mude seu estado de humor, nem seja agressivo, grosseiro. O que elas fazem é problema delas. O que você faz, é problema seu.
Leve sua educação seja aonde for. Ela é seu melhor cartão de visita. Mesmo a pessoa grosseira irá te respeitar. Mesmo a pessoa mesquinha e pedante irá te respeitar. Você não depende da resposta alheia para ter este ou aquele comportamento.
No fundo, no fundo, quem faz o berço em que nascemos somos nós mesmos!

Fonte: http://marcialuz.com/educacao-vem-de-berco-verdade-ou-mentira/ 
Giovana Cristina Schneider 


Nenhum comentário: