Seguidores

sexta-feira, 20 de maio de 2011

HISTÓRIA DO FREI DAMIÃO



Frei Damião, nasceu em Bozzano, norte da Itália, no dia 05 de Novembro de 1898, filho de camponeses, seu nome de batismo é Pio Giannotti. Começou sua formação religiosa aos 12 anos, quando foi estudar num colégio de padres. O sonho de ordenar-se sacerdote foi adiado, com a eclosão da Primeira Guerra Mundial. Aos 19 anos foi prestar serviço militar no Exército italiano, onde ficou até aos 22 anos, participando inclusive da Guerra.

Voltou para o seminário e ordenou-se padre aos 23 anos, dois anos mais tarde, diplomou-se em Teologia Dogmática, Filosofia e Direito Canônico pela Universidade Gregoriana. Antes de ir para o Brasil, lecionou e dirigiu por cinco anos vários conventos.

Pertencente à Ordem dos Capuchinhos, em 1931 recebeu a tarefa de ir para o Brasil. Ao chegar, Frei Damião foi para o Convento de São Félix (Recife-PE), que acabara de ser construído e onde viveu até a sua morte.

Apesar de possuir um carregado sotaque, muitas vezes não era compreendido, Frei Damião conquistou a simpatia dos mais pobres. Acompanhado de outro frade, Fernando Rossi, organizou missões que percorreram quase todas as cidades do Nordeste. Costumava chegar à localidade escolhida às segundas-feiras no final da tarde. Às quatro da manhã de terça-feira, ainda na escuridão, a multidão já se comprimia para ver a procissão.

A primeira missa era celebrada às cinco. Uma hora mais tarde ele iniciava a sua pregação. Eis uma sintese do seu pensamento: “No inferno o calor é bilhões de vezes pior que no Nordeste. As labaredas sobem e queimam sem parar o corpo dos adúlteros, das prostitutas, dos afeminados e dos criminosos”, dizia com a voz rouca, quase inaudível. O dia continuava com outras missas, a reza do terço e as confissões, que duravam até a meia-noite.

Para o povo nordestino, a santidade de Frei Damião era provada por seus milagres, nunca reconhecidos pela Igreja Católica. Frei Damião era considerado sucessor de outro grande “santo brasileiro”: Padre Cícero.

Em 1991, o Instituto de Teologia do Recife catalogou 80 relatos de milagres que lhe foram atribuídos.

Desde 1993 a saúde de Frei Damião, que tinha problemas respiratórios, começou a ficar mais debilitada, o que o levou a diversas hospitalizações até à sua morte, no dia 27 de maio de 1997 com 98 anos, depois de ter dedicado 76 anos de sua vida a perigrinar pelas regiões mais pobres do Nordeste. O seu sepultamento foi no Convento dos Capuchinhos, no bairro de Pina, em Recife. Em 2002, ao completar cinco anos de sua morte, o Vaticano deu início ao processo de sua canonização.





ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO

Tem cerca de 34 metros de altura e pode ser vista de qualquer ponto da cidade. Do alto da Serra da Jurema, é possível ver toda a cidade, e algumas cidades próximas situadas num raio de 50 quilômetros. O monumento possui ainda um museu,que foi montado com a consultoria da Fundação Joaquim Nabuco, casa de ex-votos, praça de celebração, capela e Via Sacra. O museu do Santuário de Frei Damião além de objetos pessoais, fotografias e artigos religiosos dispõe ainda de várias estátuas em tamanho natural, as quais reproduzem aspectos da vida do Santo das Missões. Por decreto da lavra do Administrador Apostólico da Diocese de Guarabira, Dom Jaime Vieira Rocha, o Memorial de Frei Damião, no final de 2007, foi elevado à categoria de Santuário Diocesano. Com a medida lá podem ser realizados casamentos e batizados.

Nenhum comentário: