Seguidores

sexta-feira, 20 de junho de 2014

MARECHAL FLORIANO ... ENCHENTES.



Resgatando Memórias.

(Localização das áreas urbanas selecionadas: municípios de Marechal Floriano e Vila Velha marcados em vermelho. Fonte: Adaptado de IJSN (2009).)

O Rio Jucu Braço Sul é considerado o mais importante afluente do Rio Jucu, nasce no interior do Parque Estadual da Pedra Azul, também no distrito de Aracê, de grande relevância turística no estado, e sua sub-bacia possui superfície de 375 km² (CONSÓRCIO, 2001). O Braço Sul corta a área urbana do distrito Sede do município de Marechal Floriano, encontrando o Braço Norte na divisa entre os municípios de Domingos Martins e Viana, também divisa entre as duas regiões administrativas do estado. 


Então, Marechal Floriano sempre foi propenso a enchentes do rio e também uma localidade que sempre choveu bastante. Uma das grandes cheias, que aconteceu foi em 1875, se tem noticia da morte de um imigrante, sai até no jornal da época.




EM 1906 ... Chuvas Torrenciais ...




E, assim ... Sempre, mais chuvas e enchentes.

1924 => No governo de Nestor Gomes, autorizou a construção de uma estrada de tropas, entre a Vila de Marechal até Sapucaia, onde foi totalmente danificada pela chuva.

1930 => A Vila de Marechal tem uma grande enchente do Rio Braço do Sul.


1960 => Em Março deste ano, acontece a maior enchente de todos os tempos na Vila, foram enchentes em muitas localidades do Estado e do Brasil.



1962 => Inicia-se a dragagem do Rio Braço do Sul, pelo Departamento Nacional de Obras e Saneamento. A ponte da entrada da Vila foi desativada, onde construiu uma provisória.

Em Marechal Floriano, toda a Sede municipal foi construída imediatamente às margens do rio, sem respeitar limites de Áreas de Preservação Permanente. Em parte, isso pode ter ocorrido em decorrência do fato de que no início da ocupação do lugar ainda não existiam exigências legais quanto ao afastamento dos corpos d’água, já que o primeiro Código Florestal brasileiro data de 1934 e o vigente de 1965. Porém a cidade continuou a expansão nas margens do rio, e ainda hoje novas construções são executadas sem respeitar a legislação.
Como consequência dessa forma de ocupação, dentre outros aspectos, são frequentes as enchentes que assolam a cidade. Todos os anos, na época das chuvas mais fortes, o nível da água do rio sobe muito e invade as ruas e as casas, causando muitos prejuízos.

Na década de 70, as enchentes não foram diferentes. Ruas alagadas, pessoas saindo de suas casas.
Alguns registros da Rua: Belarmino Pinto ...


Cheia na Rua: Belarmino Pinto na década de 70 ...


Como ficava a rua e o pátio da Serraria Wassem, na Rua Belarmino Pinto.

Também na década de setenta um rapaz que trabalhava na construção da ponte quase morreu afogado no rio Braço do Sul, quando caiu nas águas. Os moradores correram, querendo salva-lo, um rapaz ia pular no rio para tentar salvar, a mãe do mesmo não deixou, pois ele não era experiente em salvamento e talvez poderia morrer. O rapaz foi salvo, felizmente.


Nas décadas seguintes tivemos enchentes, sempre ...




“Estação Hidrológica”. Esta é denominação do equipamento instalado recentemente sobre uma ponte do Braço Sul do Rio Jucu, no centro de Marechal Floriano. O aparelho eletrônico possui a função de medir o nível do manancial e promover o alarme em caso de risco de temporais, seguidos de enchente. 
De acordo com o coordenador da Defesa Civil de Marechal Floriano, Fábio Stein, a população do município acaba de ganhar um aparelho dos governos Estadual e Federal, que busca a promover a segurança durante 24 horas.
“Qualquer modificação para situação de perigo, com o aumento do nível do Braço Sul devido à chuvas torrenciais, o equipamento nos prevenirá via mensagem de celular para que possamos avisar as comunidades”, disse o coordenador.



A cidade de Marechal Floriano, segundo Fábio Stein, receberá brevemente um aparelho semelhante e três outros serão instalados na zona rural, provavelmente nas comunidades de Rio Fundo e Victor Hugo. 
A estação hidrológica, conforme Stein, é totalmente automatizada e além da Defesa Civil local, o Centro de Monitoramento de Alerta e Desastres Naturais (CEMADE), sediado em Cachoeira Paulista, São Paulo, também é contatado. 
Stein enumera ainda a importância do equipamento, que possui um medidor do nível do rio e um pluviômetro. ‘É muito importante o alerta proporcionado pelo aparelho, diretamente para nós e também para a Secretaria Nacional de Defesa Civil, justificando assim a condição de estarmos entre os 800 municípios prioritários do País em Defesa Civil.   
Utilizando o slogan como tema do governo Federal, “Defesa Civil somos todos nós”, Fábio Stein complementa afirmando que manter a limpeza dos mananciais é muito importante para evitar catástrofes. “O morador teria de se conscientizar disso. É importante não lançar nada nos leitos, principalmente após a limpeza realizada pelo governo Estadual”. 

Fontes: 
 * Jair Littig
 * Montanhas Capixabas
* Urbanização e Impactos sobre Áreas de Preservação Permanente: 
    O CASO DO RIO JUCU-ES.


E agora, cabe a cada um de nós fazer a sua parte = População e Gestores

Giovana Cristina Schneider

Nenhum comentário: